Zé Gonçalves quer dados sobre coleta de lixo, relatório de sem-teto e cadastro dos camelôs para debater soluções



O sindicalista e vereador Zé Gonçalves (PT) apresentou na noite dessa quinta-feira (25), em sessão remota da Câmara Municipal, três requerimentos que solicitam da Prefeitura de Patos o relatório da Secretaria de Desenvolvimento Social sobre os sem teto dos Sapateiros, o cronograma da coleta de lixo e a relação nominal dos camelôs cadastrados no camelódromo Batista Leitão.

O objetivo, de acordo com o parlamentar, é conhecer os problemas e buscar solução de imediato.

Situação dos bairros
Ele informou que visitou áreas de diversos bairros com problemas de acúmulo de lixo, entulho, restos de árvores, lâmpadas queimadas e a falta de coleta de lixo em diversas ruas.e ouviu da população que a coleta não chega a diversas ruas. O vereador quer saber quantos veículos há disponíveis, número de trabalhadores e ruas onde o carro está passando.

Camelôs
Ele solicitou da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Habitação a relação nominal de todos os que estão cadastrados e trabalhando no Centro de Comercialização Batista Leitão.

Na análise do parlamentar patoense, as medidas tomadas em relação aos camelôs, por exemplo, têm piorado a situação porque é de conhecimento de todos que a atual localização do Centro de Comercialização Batista Leitão não tem movimento e não soluciona o problema.

Papel da Câmara e do Executivo
Zé Gonçalves fez uma análise do papel do Legislativo e Executivo municipais ao se aproximar os três meses de gestão para questionar o que mudou na vida do povo nesse período.

Ele constatou que as UBS continuam sem atendimento odontológico desde 3 de setembro de 2019 e sem oferecer procedimentos simples como aplicação de injeção e curativos.
Lembrou que os servidores continuam sem condições de trabalho adequadas e sem reajuste há seis anos. “Tem dificuldade até de implantação de gratificações já asseguradas, pois o terrível decreto impede isso até junho”, disse o mesmo.

Na opinião do parlamentar falta integração das Secretarias, apesar do esforço de alguns secretários, mas os
problemas de esgotos, galerias estouradas, lixos acumulados e matagais, iluminação precária, falta de pavimentação continuam a castigar as comunidades nos quatro cantos da cidade e na zona rural. “O que mudou nos bairros, na periferia? O que foi implementado verdadeiramente nas comunidades? Qual a resposta que a Câmara e o Executivo deram até agora para esses problemas? São três meses de gestão e o que mudou na vida do povo? Fomos eleitos para mudar essa realidade e fazer essa luta”, questionou.

Distrito de Santa Gertrudes
O vereador fez um destaque especial sobre o Distrito de Santa Gertrudes, onde o povo precisa de um atendimento médico 24 horas com um PA, precisa de uma farmácia básica, laboratório, saneamento básico e fim da poluição do Rio Panati e açudes do Assentamento Patativa do Assaré.” O Distrito precisa de atendimento dessas reivindicações, inclusive a telefonia móvel”, destacou o parlamentar.

Críticas ao governo Bolsonaro.
Zé Gonçalves disse que quem vai matar o povo de fome é o presidente Bolsonaro que acabou com o auxílio emergencial de R$ 600,00 e R$ 1.200,00 na hora de maior precisão.” Esse presidente quer matar o povo de fome e da COVID-19, pois acabou com o auxílio emergencial, obrigando o povo a ter que sair de casa, além de não comprar vacinas suficientes. Se não fosse os governadores e Prefeitos a situação estaria pior”, denunciou o vereador.

Assessoria