Gerais

Volume do gás de cozinha comercializado na Paraíba continua em queda e estado recebe 80% a menos do produto

A crise no abastecimento começou com a venda da Refinaria de Mataripe, antiga Refinaria Landulpho Alves (Rlam), na Bahia.

ÓTICAS GUIMARÃES

A situação do abastecimento do gás de cozinha na Paraíba  está cada vez mais critica. O volume do produto recebido pelo estado já caiu em 80%.  De acordo com o presidente do Sindicato dos Revendedores de Gás na Paraíba (Siregás), Marcos Antônio Bezerra, a situação é cada vez mais crítica. “Continuamos na mesma situação: racionado e sem previsão de retornar ao normal”, lamentou.

A crise no abastecimento começou com a venda da  Refinaria de Mataripe, antiga Refinaria Landulpho Alves (Rlam), na Bahia, para o fundo árabe Mubadala no final do ano passado. A empresa reduziu a produção de gás de cozinha (GLP), provocando desabastecimento do produto na região. A Rlam não fornece gás para  Paraíba, mas é a principal fornecedora do estado da Bahia. 

Como o estado da Bahia é um grande consumidor do produto, a escassez por lá, acaba  desregulando o mercado de toda a região. Bezerra afirma que no momento, a única coisa que os comerciantes podem fazer é aguardar. “Estamos fazendo o possível para que o consumidor seja menos afetado”. 

Através de nota, a Rlam explicou que a empresa está passando por ajustes e quevem tomando todas as medidas para normalizar o suprimento ao mercado da Bahia e de Sergipe. 

Fonte: ClickPB


Mostrar mais
Botão Voltar ao topo