Trabalhadores e empresas de delivery alegam prejuízos e pedem flexibilização do decreto na cidade de Patos



Teve início nesta quarta-feira, dia 24, o decreto estadual que estabelece novas regras diante do aumento dos casos graves do novo coronavírus, COVID 19. A Prefeitura Municipal de Patos também referendou as medidas e emitiu decreto semelhante e isso vem causando revolta de alguns setores.

Os decretos estão vinculados às bandeiras que identificam quantidade de contaminação e de internações. A cidade de Patos está na chamada “bandeira laranja” e, portanto, com regras mais rígidas para funcionamento de estabelecimentos.

Com o toque de recolher determinado a partir das 22h00, o setor mais prejudicado foi o de delivery. Os motociclistas e os estabelecimentos que tem sua renda quase que totalmente ligada às entregas em domicílio estão pedindo a flexibilização do horário para até meia noite. Os trabalhadores relataram que a entrega não causa aglomeração, todos os cuidados sanitários são tomados e não se encontra fundamento para a proibição de entregas por delivery.

Lucas Natan, proprietário da hamburgueria Apolo Burguer, localizada no Bairro Jatobá, disse que suas entregas são até 22h00, mas sempre tem entrega que passa um pouco desse horário. Na noite desta quarta-feira, dois entregadores do local ficaram retidos em uma blitz da polícia e isso ocasionou prejuízos ao estabelecimento. 

“Não temos loja física e nossas entregas acontecem mais a noite…estamos enfrentando problemas e prejuízos. Não falo só por mim, mas por dezenas desse setor. Pedimos para flexibilizar esse decreto, pois nós não causamos aglomeração e todos os cuidados são tomados diante da pandemia. Temos visto bancos, academias, lotéricas, supermercados, restaurantes e vários locais com aglomeração e esse decreto só causou problemas para nós! Qual o risco que o delivery oferece? Peço que revejam e tenham sensibilidade conosco!”, relatou Lucas Natan.


Jozivan Antero – Patosonline.com