Técnica de Enfermagem que teve Covid e voltou a atuar após vencer a doença foi a primeira a ser vacinada no Hospital de Patos



A Técnica de Enfermagem, Salustiana Klívia Marques, de 42 anos, foi a primeira profissional do Complexo Hospitalar Regional Deputado Janduhy Carneiro de Patos (CHRDJC) a receber a dose da vacina Coronavac, na tarde desta quarta-feira (20). Ela foi escolhida para abrir a vacinação dos funcionários da unidade por ter contraído a Covid, conseguido superar a doença e voltado, sem titubear, mesmo a contragosto de parentes e amigos, para a linha de frente no combate ao coronavírus. “Além do compromisso de minha profissão, o que me fez ter forças para voltar à linha de frente foi o fato de eu representar a esperança de cura, pois se eu venci o Covid, meu testemunho e exemplo pode encorajar as pessoas a enfrentarem essa doença com mais otimismo”, disse ela, após receber a primeira de duas doses da vacina.

Todos os 812 funcionários do Complexo serão vacinados. O primeiro grupo de profissionais a serem imunizados na unidade serão os que atuam no setor de isolamento Covid e isso já começou nesta quarta-feira. “Só iremos parar quando todos os trabalhadores que integram a equipe da unidade forem imunizados”, disse o diretor geral do Complexo, Francisco Guedes que, por opção, preferiu se vacinar outro dia, dando prioridade para os profissionais que estão na linha de frente. “A chegada desta vacina tem para todos nós um significado muito grande, pois ela simboliza a esperança de dias melhores, de cura e ela deixará mais felizes, satisfeitos, tranqüilos e seguros os nossos profissionais”, disse Francisco, enaltecendo a pró-atividade do governo estadual, através da SES, em providenciar a logística de encaminhamento das doses em tempo recorde.

Bastante emocionada, depois de ler um texto falando do desafio de ser profissional e estar na linha de frente, Salustiana agradeceu a escolha de seu nome para abrir a campanha de vacinação no Complexo e ser o símbolo dessa ação em seu local de trabalho, lembrando que a unidade é a sua segunda casa desde 2005, ano que começou a atuar no Hospital. “Não foi fácil ficar os 28 dias me tratando da Covid. O medo era uma constante, mas nunca perdi a esperança e consegui superar a doença, embora até hoje tenha seqüelas dela, como dor no tórax, dor de cabeça e dispnéia. Mas, eu sou a prova de que é possível superar a Covid e voltar a ter uma vida normal”, reiterou ela,  lembrando que a vacina é começo do fim da pandemia.

O secretário de saúde de Patos, Segundo Brito, que participou da abertura da campanha no Complexo, lembrou da decisão de unir forças do Estado e Município, numa decisão conjunta de realizar a vacinação em Patos e falou da importância deste momento. “As estratégias de como agir nesta primeira fase foram pensadas e acordadas de forma conjunta e estamos dando o primeiro passo para voltar a nossa vida normal, agora com a imunização. Quero agradecer a todos vocês pelo trabalho que fizeram até aqui e que agora entra numa nova fase: a da imunização”, disse ele.

Assessoria