Suspeito de estuprar e matar garota fez outras duas vítimas na Paraíba



O suspeito de violentar e assassinar a estudante Ana Alice Macedo Valentin, que estava desaparecida desde 19 de setembro e foi encontrada morta na noite de quarta-feira (7), teria feito pelo menos mais duas vítimas na região de Caturité, segundo a polícia.

Em coletiva, o delegado Erissandro Pinto afirmou que o vaqueiro Leônio Barbosa de Arruda, de 22 anos, estuprou uma jovem de 18 anos em fevereiro e tentou estuprar uma mulher de 40 anos em outubro deste ano. Pelo estupro da jovem, Leônio Barbosa respondia em liberdade.

Segundo Erissandro Pinto, delegado que comandou as investigações, a polícia chegou até Leônio após cruzar informações do caso de Ana Alice com um queixa de tentativa de estupro feita por uma mulher no município de Caturité. “Em outubro, uma mulher de 40 anos registrou uma queixa após ter sido levada por um homem que teria tentado violentá-la sexualmente.

Na época, a vítima afirmou que o agressor desistiu do estupro após perceber que ela estava menstruada e a abandonou em uma vala”, explicou. A mulher de 40 anos seria a segunda vítima de Leônio Barbosa.

De acordo com a polícia, o estupro e a morte de Ana Alice teriam sido premeditados. Segundo depoimentos dados pelo próprio Leônio Barbosa à polícia, o vaqueiro acompanhou a rotina da estudante de 16 anos durante uma semana, calculando as horas em que ela descia do ônibus que a levava para Boqueirão, cidade a 30 km da casa onde ela morava, em Queimadas, ambas no Agreste paraibano. O suspeito violentou a estudante por cerca de quatro horas, segundo a polícia.

O vaqueiro afirmou que matou a estudante após temer ser pego, pela polícia. Leônio Barbosa ainda confirmou que espancou Ana Alice com o cano da espingarda calibre 12 e a enterrou na fazenda em que ele trabalhava, junto com o seu material da escola. Quando perguntando sobre o crime, o suspeito comentou que “deu uma loucura em sua cabeça”. Ele foi preso na fazenda em que trabalha, juntamente com a espingarda usada para matar a estudante e um veículo usado para raptar as vítimas.

A polícia pretende divulgar imagens do vaqueiro com o objetivo de descobrir se o suspeito fez outras vítimas na região de Caturité. O delegado do caso tratou Leônio Barbosa como maníaco sexual. O vaqueiro foi levado para a Central de Polícia de Campina Grande e depois será encaminhado para o presídio de Queimadas. Leônio poderá responder pelos crimes de estupro, homicídio doloso e homicídio com ocultação de cadáver.

 

G1/PB