Policial

Superintendente da PF na Paraíba diz que candidato a deputado federal beneficiado com compra de votos não se elegeu e deve responder por crime eleitoral; Veja Vídeo

Operação Pão de César cumpriu mandados de busca e apreensão nas cidades de Aparecida, Patos e João Pessoa.

ÓTICAS GUIMARÃES

Em coletiva de imprensa nesta quarta-feira, o superintendente da PF na Paraíba, Marcelo Ivo, trouxe maiores detalhes sobre a operação “Pão de César”,  deflagrada na manhã desta quinta-feira, dia 7 de dezembro, com o objetivo de aprofundar as  investigações relativas ao esquema de compra de votos na eleição de 2022.

Marcelo Ivo informou que o candidato beneficiado com a compra de votos não se elegeu e que concorria ao cargo de Deputado Federal.

“Os envolvidos, eles têm vínculo direto com um candidato a deputado federal na ocasião que estaria fazendo essa distribuição com o objetivo de obter votos em seu favor”, disse Marcelo Ivo, superintendente da Polícia Federal na Paraíba.

Na manhã de hoje, foram cumpridos três mandados de busca e apreensão expedidos pela 28ª Zona Eleitoral nas cidades de Aparecida, Patos e João Pessoa contra o coordenador de campanha do ex-candidato, o dono do caminhão que transportou as cestas básicas de João Pessoa até Patos, um homem identificado como aliciador de eleitores e o dono do carro locado, que dificultou o repasse de informações para identificar o locador.

Com os envolvidos foram apreendidos um vasto material como mídias eletrônicas, documentos e dados telemáticos, que segundo o delegado da PF, vão subsidiar com muita importância as investigações e ajudar a elucidar o caso, e possivelmente, instaurar outros inquéritos policiais.

A investigação que deu origem a operação teve início no dia 30 de setembro, às vésperas do primeiro turno, onde foram presos três indivíduos que estavam entregando cestas básicas junto de materiais de campanha, os famosos santinhos, aqui na cidade de Patos.

Diante das investigações, novos envolvidos surgiram e revelaram uma magnitude maior do esquema de compra de votos e com isso, a PF buscou hoje, robustecer as provas que vinculam os suspeitos e comprovar o envolvimento de mais pessoas, a exemplo daqueles que comandam o esquema.

Por Pabhlo Rhuan – Patosonline.com


Mostrar mais
Botão Voltar ao topo