Sessão itinerante em Teixeira se transforma em bate boca entre deputados da oposição e da situação



A Assembleia Legislativa da Paraíba esteve incluída na programação dos 150 anos de emancipação política de Teixeira, distante a 340 quilômetros de João Pessoa, ao realizar mais uma sessão itinerante na Escola José Elias de Amorim, no centro da cidade, com a presença de deputados que têm base política na região do Cariri paraibano.

O deputado Francisco de Assis Quintans (DEM), autor da propositura, justificou sua iniciativa dizendo que o Poder Legislativo estadual teve essa idéia meritória de ir para o interior do Estado, a fim de discutir e participar com o povo, as diretrizes que devem nortear o funcionamento do Legislativo.

“É com esse objetivo que estamos aqui hoje em Teixeira e também para comemorarmos o aniversário de emancipação política do município”, disse Quintans.

Ele fez questão de registrar nos Anais da Assembléia as queixas contra o atual Governo do Estado que, segundo ele, não tem atendido os pleitos do município de Teixeira, a exemplo da liberação de recursos para o funcionamento do hospital Sancho Leite de Teixeira e a assinatura do convênio para o transporte escolar de alunos que continua sem renovação.

Após o pronunciamento de Quintans, foi a vez da deputada Socorro Marques (PPS) ocupar a tribuna. O teor do seu discurso foi praticamente o mesmo do colega que lhe antecedeu.

Socorro solicitou a liberação do restante dos recursos para a construção do cemitério de Teixeira, Ela informou que o convenio foi assinado no governo anterior, quando foi repassada uma parcela e agora a obra está suspensa.

“Essas omissões do governo do Estado nos levam a crer que há um equivoco no direcionamento político porque o dinheiro do Estado é de todos”, criticou a deputada, adiantando que a

Paraíba nunca teve tanto dinheiro em caixa. “Além do aumento da arrecadação do ICMS, o governo também tem os R$ 191 milhões com o empréstimo aprovado pela Assembléia Legislativa”, disse ela.

Os deputados tucanos Dinaldo Wanderley e Antônio Mineral também fizeram duras críticas ao governo Maranhão III e denunciaram perseguição aos municípios adversários políticos da atual administração estadual.

A deputada Francisca Motta, única parlamentar da bancada governista presente na sessão itinerante em Teixeira, saiu em defesa do governador Maranhão, alegando que os recursos deixaram de ser repassados porque a Prefeitura de Teixeira não prestou contas de alguns convênios firmados, ficando assim, inadimplente.

Motta disse que ao receber uma carta da Câmara dos Vereadores de Texeira, onde estavam elencadas várias reivindicações para o município, encaminhou um oficio à Secretaria de Planejamento, solicitando informações sobre a suspensão da liberação dos recursos para a manutenção do hospital e para o convênio do transporte escolar, quando foi informada da falta da prestação de contas.

“Os recursos questionados aqui não foram suspensos pelo atual governo, mas desde novembro passado”, contestou Francisca Motta”. A ex-prefeita de Teixeira e atual secretária de Educação municipal, Rita Nunes Pereira, mostrou documentos comprovando a prestação de contas dos recursos oriundos de projetos assinados com o Governo Estadual.

Além dos deputados, também participaram da sessão o prefeito Venceslau Teixeira, o presidente da Câmara Municipal de Teixeira, vereador Inácio de Oliveira, o padre José Nilton, vereadores e autoridades locais.



Fonte: MARCELA SITÔNIO