Senadores paraibanos têm 3º pior desempenho da bancada do NE



Os senadores paraibanos apresentaram o terceiro pior desempenho entre as bancadas dos nove Estados do Nordeste, em número de proposições apresentadas, nos seis primeiros meses deste ano. Os três parlamentares paraibanos: Cícero Lucena (PSDB), Efraim Morais (DEM) e Roberto Cavalcante (PRB) apresentaram, no total, 129 projetos.


 


A produção dos três fica à frente apenas dos senadores dos Estados de Alagoas, que apresentaram 107 proposições, e do Maranhão que apresentaram apenas 57 proposituras. O Estado nordestino que apresentou mais projetos foi Pernambuco – 422 -, seguido de Sergipe com 316 e do Ceará, com 195 proposituras apresentadas.


 


Na sequência, aparecem os Estados do Rio Grande do Norte (189), do Piauí (188) e da Bahia (166). Pelas contas da produção dos paraibanos, pode-se observar que os três senadores não chegaram a apresentar um projeto por dia, já que se passaram 182 dias nesses seis primeiros meses do ano.

Quando a produção é comparada individualmente, é possível perceber ainda mais o baixo desempenho dos paraibanos. Enquanto o senador Efraim Morais apresentou 78 proposituras o seu colega de partido, o pernambucano Marco Maciel apresentou, no mesmo período, 341 projetos.


 


Já o também democrata Heráclito Fortes, do Piauí, chegou a apresentar 92 proposições. O senador Cícero Lucena apresentou apenas 38 projetos e ficou bem atrás do seu colega de partido, o senador de Pernambuco Sérgio Guerra, que apresentou 63 proposições.

Entre os senadores paraibanos, o pior desempenho é de Roberto Cavalcante que apresentou apenas 13 proposituras, ficando com o último lugar, empatando apenas com o piauiense João Tenório (PSDB) e Lobão Filho (PMDB), do Maranhão, em número de projetos apresentados. De toda a bancada nordestina, Roberto Cavalcanti ficou à frente apenas dos senadores Mauro Fecury (PMDB-MA), com um projeto apresentado, e do senador João Durval (PDT-BA), com 11 proposituras.

O democrata Efraim Moraes apresentou cinco Propostas de Emenda à Constituição (PECs), uma Proposta de Fiscalização e Controle, 16 Projetos de Lei, um Projeto de Resolução e 55 Requerimentos. Logo atrás aparece o senador Cícero Lucena (PSDB), que apresentou um total de 38 proposições. Nos seis primeiros meses do ano, o tucano apresentou 13 Projetos de Lei e 25 Requerimentos. O senador Roberto Cavalcante apresentou sete Projetos de Lei, um Projeto de Resolução e cinco Requerimentos.


Efraim Morais faz parte, como titular, das Comissões de Assuntos Sociais das Pessoas com Deficiência; das Comissões Parlamentares de Inquérito (CPIs) dos Bingos, das Ambulâncias e das ONGs; da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional, de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática, de Assuntos Sociais, Assuntos Econômicos. Como suplente integra as Comissões de Inquérito dos Correios e dos Cartões Corporativos. E ainda das Comissões de Serviço de Infraestrutura, Educação, Cultura e Esporte e de Constituição, Justiça e Cidadania.

Ele disse que desconhecia a avaliação de que é o parlamentar da Paraíba que mais apresentou proposições no Senado. Quanto à questão dos paraibanos serem o terceiro pior desempenho em número de apresentação de matérias, disse apenas que o motivo se dá pela falta de entendimento entre os três senadores. Para Efraim Morais, o pensamento maior é a Paraíba. “Quando estivermos reunidos lá em cima, temos que pensar unicamente no nosso Estado. Nós temos a responsabilidade de representar os paraibanos”, disse, afirmando que tem procurado os outros dois senadores para uma conversa no sentido de que o palanque de 2010 desapareça este ano. “Não adianta fazer política de momento e pensando em poder. A política deve ser feita com o pensamento na Paraíba e no seu povo que nos levou até o Congresso Nacional para os representar”, afirmou.

Já o senador Cícero Lucena disse que não poderia responder pelos outros, mas afirmou que apresentou muitos projetos, relatou e aprovou outros. O tucano destacou ainda seu trabalho pela Paraíba com apresentação de projetos voltados à melhoria das condições de vida dos paraibanos. O parlamentar revelou que trabalha em comissões e ainda viaja em missões nacionais e internacionais pelo Senado. “Não sei qual o critério para ver quem trabalha, mas posso lhe afirmar que tenho cumprido toda missão do Senado federal a que me cabe em todas as comissões em que atuo”, disse.


O senador é componente como titular das Comissões da Transposição do Rio São Francisco, Comissão de Meio Ambiente, defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle, Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa, Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática e Comissão de Assuntos Econômicos. Como suplente participa das Comissões de Serviços de Infraestrutura, Mista Permanente sobre Mudanças Climáticas e de Desenvolvimento Regional e Turismo.


Roberto Cavalcante é titular das Comissões de Transposição do Rio São Francisco, da Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática, da Comissão dos Assuntos Sociais.


 


Cavalcante é suplente das Comissões de Educação Cultura e Esporte, da Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo e da Comissão de Assuntos Econômicos.


 


A bancada do NE é formada por 54 senadores de Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Piauí, Maranhão, Ceará, Bahia, Sergipe e Alagoas. A pesquisa foi feita pelo JORNAL DA PARAÍBA no site do Senado Federal


 


(www.senado.gov.br).