Ricardo diz que ganha em 2010 e revela que ‘papo’ com Maranhão está difícil



Apesar de estar usando sapatos sem meias, o prefeito de João Pessoa e presidente estadual do PSB, Ricardo Coutinho, não se sentiu desconfortável, na manhã deste sábado (20) em Serra Branca, para afirmar, categoricamente, que vai vencer as eleições para governador em 2010. O prefeito da capital também acentuou que está difícil conversar com Maranhão. "Ele só pensa em 2010" Ricardo revelou ainda que tinha uma relação mais amistosa com Cássio Cunha Lima


“Nós vamos vencer essa disputa, pode ter certeza. Porque a Paraíba não agüenta mais esse retrocesso, onde estamos perdendo posições para estados como o Ceará, Pernambuco e Rio Grande do Norte”, disse o alcaide, para delírio do público que lotou as dependências da Câmara Municipal para ouvir o “mago” discorrer sobre as experiências administrativas da Prefeitura da capital.


Naquela oportunidade, Ricardo também lançou a candidatura ao senado, do atual deputado federal e presidente do PT na Paraíba, padre Luiz Couto. “Precisamos eleger o companheiro, Luiz Couto senador, porque é necessário termos pessoas dignas naquela casa”, pontuou.


O prefeito também não poupou críticas ao governador, José Maranhão (PMDB). Sem citar nomes, Ricardo disse que não há projetos para o desenvolvimento do Estado. “Tudo funciona com vistas em 2010. os recursos públicos são utilizados para cooptar companheiros e companheiras. É uma política de guerra, onde os partidos são minados. São promessas e mais promessas e as mesmas ordens de serviços (adutora do Congo) são assinadas várias vezes. Mas cadê o orçamento para que essas obras sejam executadas? Infelizmente, é assim que as coisas estão funcionando na Paraíba”, lamenta-se.


Maranhão não quer papo


Um repórter pergunta ao “mago” como está a relação dele com o governador. “Ele (Maranhão) não está dando oportunidade para que possamos dialogar. Isso é o mínimo que se espera de ambos gestores. Com o ex-governador, Cássio Cunha Lima (PSDB), tive algumas conversas amistosas no Palácio da Redenção e no Paço Municipal. Mas com Maranhão está difícil. Ele só pensa em 2010. mesmo assim vamos investindo em saneamento básico, que é dever do Estado. Porem como eles não fazem, temos que fazer, pois a população não quer saber se é o Estado ou a Prefeitura quem constrói tal coisa”.


Sobrou até para o cabeludo


Quem também não escapou da língua afiada do gestor pessoense, foi o prefeito de Campina Grande, Veneziano Vital do Rego (PMDB) e outro postulante ao Palácio da Redenção. Outra vez sem citar nomes, Ricardo dar uma estocada no “cabeludo”


 “Fizemos, assim que iniciamos o primeiro governo, a integração do transporte coletivo. Isso era necessário porque os trabalhadores da periferia estavam comprometendo boa parte dos salários com passagens. Esta integração foi feita através de bilhetes, que é bem mais barato do que a construção dos grandes terminais, que, além de ultrapassados, custam milhões de reais aos cofres públicos”. Neste momento, Ricardo para de falar e reclama que mordera a língua.


Por Heleno Lima