Relator pede a cassação de Cássio, mas pedido de vista adia decisão



Um pedido de vistas do juiz Nadir Valengo interrompeu no começo da noite desta quinta-feira (8), no Tribunal Regional Eleitoral (TRE), o julgamento do governador Cássio Cunha Lima (PSDB) e do vice José Lacerda Neto (Dem) no processo que apurou o uso do jornal A União na campanha de 2006.


Um pouco antes da iniciativa do juiz, o corregedor regional eleitoral, juiz Carlos Eduardo Lisboa, relator do processo do Caso A União no Tribunal Regional Eleitoral (TRE), havia concluído a leitura do seu parecer, que é pela cassação dos diplomas do governador Cássio Cunha Lima (PSDB) e do vice-governador José Lacerda Neto (Dem).


O corregedor defendeu também em seu voto a decretação da inelegibilidade do governador e do vice por três anos, mais aplicação de uma multa de R$ 100 mil a Cássio e ao superintendente do jornal A União, Itamar Cândido.


O juiz Carlos Eduardo fundamentou a sua posição citando e lendo dezenas de manchetes e matérias de A União publicadas durante o ano eleitoral (2006), além de comentários de colunistas do jornal, todas fazendo promoção pessoal e política do governador, culminando com a incidência de conduta vedada pela lei aos agentes públicos no período eleitoral.


Segundo o corregedor, confirmada a condenação do governador e do vice, deverão ser diplomados e empossados os candidatos colocados em segundo lugar nas eleições do ano passado, José Maranhão (PMDB) e Luciano Cartaxo (PT), candidatos a governador e vice pela Coligação Paraíba de Futuro, de oposição.


A Assessoria de Imprensa do TRE previu que o julgamento do Caso A União só será retomada no próximo dia 19, quando o juiz Nadir Valengo esgotará o prazo regimental para apresentar o seu voto-vista.