Mundo

Projeto nos EUA quer proibir gigantes de tecnologia de favorecer seus produtos

Projeto busca conter o poder de mercado descomunal das empresas do setor, incluindo líderes da área como Facebook e Apple

ÓTICAS GUIMARÃES

Cerca de uma dúzia de senadores dos Estados Unidos de ambos os partidos apresentaram formalmente na segunda-feira (18) um projeto de lei que impediria as plataformas da tecnologia, como Amazon e Google, de favorecer seus produtos e serviços.

O projeto segue outros apresentados com o objetivo de conter o poder de mercado descomunal das empresas do setor, incluindo líderes da área como Facebook e Apple.

Até agora nenhum se tornou lei, embora um, que aumentaria os recursos para os responsáveis ​​pela aplicação das leis antitruste, tenha sido aprovado no Senado.

O projeto dos senadores Amy Klobuchar, uma democrata, e Chuck Grassley, um republicano, proibiria as plataformas de exigir que as empresas que operam em seus sites comprem os bens ou serviços da plataforma, e as proibiria de influenciar os resultados de pesquisa para favorecimento próprio.

Um projeto de lei com as mesmas propostas foi aprovado no Comitê Judiciário da Câmara. Ele deve ser aprovado em ambas as casas do Congresso para se tornar lei.

A Reuters relatou na quarta-feira (13), após analisar milhares de documentos internos da Amazon, que as operações da empresa na Índia realizaram uma campanha sistemática de criação de cópias e manipulação de resultados de pesquisa para impulsionar suas próprias marcas privadas no país, um dos maiores mercados de crescimento da companhia.

Quando a notícia do projeto foi divulgada na semana passada, tanto a Amazon quanto o Google alertaram para possíveis consequências não intencionais.

A Amazon disse em um comunicado que o projeto, se virasse lei, “prejudicaria os consumidores e as mais de 500.000 pequenas e médias empresas americanas que vendem na loja da Amazon, e colocaria em risco os mais de 1 milhão de empregos criados por essas empresas”.

O Google disse que a medida tornaria mais difícil para as empresas oferecer serviços gratuitos – como o de busca e de mapas do Google – e tornaria “esses serviços menos seguros, menos privados e menos seguros”.

O Facebook, que disse que compete com uma série de redes sociais, incluindo TikTok e Twitter, disse que as leis antitruste “não devem tentar desmantelar os produtos e serviços dos quais as pessoas dependem”.

Klobuchar preside o subcomitê antitruste do Comitê Judiciário do Senado, enquanto Grassley é o principal republicano no comitê. Os co-patrocinadores do projeto incluem cinco democratas e cinco republicanos.

As empresas que expressaram apoio ao projeto incluem Spotify, Roku, Match Group e DuckDuckGo, disse o escritório de Klobuchar em um comunicado.

O projeto de lei não separaria as empresas ou as forçaria a abandonar os serviços, mas proíbe alguns comportamentos inadequados que afetam as empresas que dependem de suas plataformas, disse Stacy Mitchell, do Institute for Local Self-Reliance, que disse preferir um projeto de lei mais agressivo.

Fonte: CNN Brasil

Mostrar mais
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios