Locais

Projeto de ressocialização no Presídio de Patos já começa a dar resultados

A Prefeitura de Patos, por meio da secretaria de meio ambiente, firmou uma parceria com o Presídio Regional Romero Nóbrega na criação do projeto de um viveiro de mudas. Nesta quarta-feira, dia 21 de julho, aconteceu a primeira colheita de coentro e cebolinha da horta. Além desses produtos, foram plantados pimenta, pimentão, alface, couve, beterraba, abobrinha e que deve ser ampliado na horta.

A parceria foi firmada após audiência do prefeito Nabor Wanderley com o diretor da unidade, Charles Martins, para a realização de projetos de ressocialização para as pessoas privadas de liberdade daquela unidade.

O viveiro de mudas já está em construção.

De acordo com a secretária de meio ambiente do município, Manoella Rodrigues, na audiência entre prefeito e diretor foi pensada a horta e o plantio de mudas, pois, o mercado de produção de mudas está em crescimento no Brasil o que pode gerar renda para quando os apenados saírem terem a profissionalização dessas atividades.
“A secretaria de meio ambiente faz a doação do viveiro e vamos atuar na parte técnica. Nós estaremos lá todos os dias orientando como se deve produzir a muda, a UFCG também está participando, e o presídio entra com a mão-de-obra”, explicou Manoella.

O diretor do Presídio, Charles Martins, explicou que o serviço executado no viveiro terá a ocupação de um determinado de número de apenados.
“Estamos, atualmente, na construção do viveiro de mudas, de plantas nativas da caatinga que ocupará cinco apenados gerando essa ocupação que é o nosso principal objetivo dentro desse projeto de ressocialização”, afirmou o diretor.

As hortas objetivam melhorar a alimentação da população carcerária, pois, toda a produção é consumida na cozinha da unidade.

Ainda de acordo com Charles Martins, o Presídio Romero Nóbrega já recebeu ações da secretaria de serviços públicos através do secretário Josimar Barbosa, ao redor da unidade, sendo que há a perspectiva de futuramente ter novos projetos.

Os projetos desenvolvidos pela direção serão revertidos na redução da pena, pois, a cada três dias trabalhados, o apenado ganha um dia de redução na sua pena.

“Os projetos têm um melhor impacto, diretamente, na questão da disciplina e na redução de licitudes”, finalizou.

Coordecom 

Mostrar mais
Botão Voltar ao topo