Professora denuncia “golpe do vigário” em Patos



A professora Vilma Alves de Sá, residente na Praça Freio Martinho, Centro de Patos, procurou a redação da rádio Itatiunga FM, para denuncia que teve a casa invadida na noite de ontem (quarta-feira), por uma pessoa se dizendo religiosa.

Segundo a denunciante, era por volta das seis da noite (18h00m), quando um homem entrou em seu apartamento, com um livro religioso nas mãos, pedindo para fazer uma oração.

Vilma Alves disse que de início insistiu, dizendo que não tinha tempo, pois estava saindo para o trabalho, mas o rapaz se identificou como sendo da Paróquia de Nossa Senhora Daguia, e foi logo iniciando a oração.

O suposto religioso, visitou os cômodos do apartamento, recitando trechos do livro, e dizendo que estava ungindo a casa da professora. Após alguns minutos, o homem pediu para que Vilma entrasse no banheiro, e fosse ungir o referido cômodo. Quando a professora entrou no banheiro, o homem rapidamente desapareceu. Em seguida, a professora percebeu que faltava seu aparelho celular e outros pertences do quarto.

Ela disse que a imprensa para denunciar, pois queria evitar que outras pessoas também fossem lesadas pelo suposto rezador.

Logo que a reportagem foi ao ar, no programa Cidade em Debate de hoje, o padre Expedito Caetano, vigário da Paróquia de Nossa Senhora Daguia, ligou para declarar que a referida paróquia, não faz campanha desse tipo, e que só padres e diáconos têm autorização para ungir residências.

Padre Expedito ainda afirmou que não é a primeira vez que pessoas tentam e aplicam golpes, usando nomes da paróquia. Ele fez um alerta para que as pessoas não acreditem nesse tipo de ação, e quando receber uma vista suspeita de alguém se dizendo ser religioso e querendo entrar na casa, ligue para a Casa Paroquial (3421 3732), e procure saber se realmente está havendo uma esse tipo de visita por religiosos ordenados pela paróquia.

Marcos Oliveira