Procurador Francisco Sagres fala sobre operação da PF em Patos



Os delegados Francisco Martins e Omar Murice, da Delegacia da Polícia Federal, em Patos, concederam entrevista na manhã desta quinta-feira, 28, quando fizeram um balanço da Operação “Ciranda” desencadeada no Sertão da Paraíba com o objetivo de desbaratar uma quadrilha envolvida na falsificação de licitação que beneficiou secretários de prefeituras e empresários da construção civil.

Na entrevista não foram divulgados os nomes das seis pessoas presas na Operação. São eles, Irio Fernandes dos Santos, sua esposa, Zenaide Pereira Soares, funcionários da Prefeitura Municipal de Cacimba de Areia; Marcone Edson Lustosa, José Murilo, a esposa dele Maria do Socorro Fernandes Militão. Todos estão sendo interrogados na delegacia da PF, em Patos e deverão ser encaminhados para os presídios de Patos ainda hoje.

Uma força tarefa composta pela Polícia Federal, o Ministério Público-PB, através do GAECO, o Tribunal de Contas do Estado da Paraiba e a Secretaria de Defesa Econômica do Ministério da Justiça, prendeu na manhã desta quinta-feira (28) seis pessoas acusadas de formar uma quadrilha que fraudava processos licitatórios.

A Operação “Ciranda” envolveu cerca de 50 agentes da Polícia Federal, Ministério Público da Paraíba, através do GAECO, Tribunal de Contas do Estado e a Secretaria de Defesa Econômica do Ministério da Justiça.

O procurador de Justiça, Francisco Sagres, coordenador do Comissão Estadual de Combate a Sonegação Fiscal, informou por telefone que os fraudadores, além de criar empresas fantasmas, usavam carimbos falsos de delegacias e cartórios.

De acordo com Sagres, a quadrilha teria causado um prejuízo aos cofres públicos em torno de R$ 10 milhões. A operação foi desencadeada nos municípios de Patos, Cacimba de Areia e Areia de Baraúnas.

Escute a entrevista com Francisco Sagres

Áudio/Higo de Figueiredo

Texto/Cardoso Filho