Prejuízo de R$14 mi da maternidade de Patos é um escárnio com a população, diz deputado



O deputado federal Ruy Carneiro comentou a notícia de que auditoria do TCE-PB teria estimado prejuízos de R$ 14 milhões na maternidade de Patos. Para o parlamentar, a gestão de Ricardo Coutinho e seus auxiliares foi exímia em realizar contratos superfaturados, contratar Organizações Sociais e embolsar os recursos que deveriam servir para cuidar da saúde do povo.

“Quem tem coragem de embolsar o dinheiro que iria para uma mãe gestante, tem coragem para coisa muito pior. Mostra o total desprezo que o grupo tem com os paraibanos. O Tribunal de Contas remeteu a auditoria para o Gaeco e Polícia Federal. Esperamos que novas medidas sejam tomadas para punir os integrantes dessa ORCRIM que fez sangrar o nosso povo, enquanto fingia que prestava serviços de saúde”, comentou Ruy Carneiro.

Trechos da auditoria sobre o contrato da OS Gerir na maternidade Peregrino de Carvalho, de Patos, foram revelados pelo jornalista Marcelo José. Eles apontam, entre outras coisas, que a Secretaria de Saúde fez pagamentos não previstos em contrato de mais de R$ 3 milhões. Além do que “o prejuízo ao Estado da Paraíba, decorrente do Contrato de Gestão n° 002/2014, superou R$ 14.000.000,00”, segundo a peça.

Na opinião de Ruy Carneiro, as gestões do PSB implantaram, com as Organizações Sociais, um aparato de sanguessugas. “Quanto mais conhecemos os contratos que foram feitos com as OS, mais vemos o quanto o povo da nossa Paraíba foi sacrificado”, pontuou o  parlamentar.

Ruy ainda arrematou criticando o uso político do dinheiro público: “Não havia um projeto de governo, sempre foi um projeto de poder. Foi desviando muito dinheiro do povo humilde que financiaram suas eleições e que financiaram a eleição do atual governador. Cada ato deste governo tem a marca da dor do nosso povo, que enfrenta um calvário pra tentar cuidar da saúde”.

Assessoria de Comunicação



Em cumprimento à Legislação Eleitoral, o Portal Patosonline.com não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2020 se encerrarem.