Prefeito de Patos ainda não decidiu se será candidato a reeleição



O prefeito de Patos, Nabor Wanderley(PMDB), disse que ainda não decidiu se sai candidato a reeleição, mesmo seu nome estando em boas condições nas pesquisas (em primeiro lugar). "Este assunto só vamos discutir em abril quando deveremos definir o nome de consenso entre o PMDB e os partidos aliados", garantiu ele.


Ele garantiu que caso seu nome não esteja bem no momento da escolha e que se aparecer um nome de mais expressão, ele apoiará quem estiver em melhores condições.


 


"Acho que a vontade do povo deve ser soberana, e caso o povo não esteja aprovando o meu governo, não tenho vaidade alguma em disputar um cargo eletivo. Existem nome fortes dentro do nosso grupo como o de Ivânio Ramalho(vice-prefeito) e da deputada Francisca Motta, entre outros que poderiam compor chapa com o PMDB", assegurou.


 


Nabor disse que tem consciência do governo popular que vem


fazendo. "Não é à toa que conseguimos aprovação de mais de 70% da população com um índice de mais de 60% nas pesquisas de intenções de voto. Mas isso não é definitivo. É momento." Acredita ele.


 


Sendo ou não candidato, Nabor disse que até abril deverá definir os nomes dos secretários que deverão deixar o governo para participar da campanha eleitoral. "Os que são candidatos, estes sairão naturalmente. Outros vão compor a equipe da coordenação da campanha e até abril deixarão seus cargos", garantiu ele, acrescentando que o primeiro escolhido foi o coordenador de Comunicação, Vicente Conserva, que assume outra função no governo.


 


Ele disse que ainda não definiu outros nomes, acrescentando que não vai admitir o uso da máquina nem tampouco o envolvimento no pleito de auxiliares do governo que estejam exercendo cargo público.


"Quem desejar participar da campanha eleitoral, vai ter que desocupar o cargo". Nabor acrescentou não vai permitir o uso da máquina pública como aconteceu no passado recente em Patos quando o ex-prefeito obrigou professores municipais a sair nas ruas pedindo voto para seu candidato.


 


Nabor disse que mesmo estando em ano eleitoral sabe o quanto é difícil separar a política da administração, sem que uma atrapalhe a outra. Ele  cobrou mais empenho de seus auxiliares e recomendou que a máquina administrativa fique fora da campanha para as eleições de outubro, quando poderá disputar a renovação do mandato.


O prefeito disse que deseja transformar 2008 num ano ainda mais produtivo, em termos administrativos, que os três primeiros de sua gestão, mesmo com a perspectiva de enfrentar uma campanha eleitoral.


 


Nabor enfatizou que todas as pastas de seu governo estão preparadas para iniciar esses trabalhos e atender, dentro das possibilidades, as necessidades da população. Falou do otimismo que existe hoje dos servidores públicos, que vêm sendo valorizados na sua administração, principalmente no tocante aos vencimentos, sempre pagos em dia, bem como a capacitação que recebem para executar com presteza sua função junto aos cidadãos.