Policial percorre cinco UBS’s de Patos a procura de vacina para sua filha e não encontra quem aplique em nenhuma delas. Secretaria responde



O policial André Dias Gerônimo relatou à reportagem do Portal TV Sol enfrentou problemas para vacinar sua filha de apenas quatro meses, na rede de atenção básica de Patos, na tarde desta quarta-feira (6). Segundo ele, sua filha recém nascida precisava tomar quatro tipos de vacinas regulares. Ao se dirigir ao posto de saúde onde é referenciado, no centro da cidade, próximo a loja maçônica, ele foi informado que a enfermeira estava de férias.

André contou que percorreu mais quatro unidades básicas de saúde, em diferentes bairros da cidade, mas, em nenhuma, conseguiu atendimento devido a falta de profissional para aplicação das vacinas.

Do meu posto, eu me dirigi até o postinho que fica no Baixo Meretrício, não tinha enfermeira. Desse, fui até o que fica próximo a linha férrea onde fui informado que lá a vacinação estava suspensa. Fui também até o Verônica, próximo ao colégio Auzanir Lacerda, nesse, a enfermeira está de férias. Fui para o do Novo Horizonte e lá a enfermeira está afastada e de atestado”, relatou.

Nessa última UBS, André foi informado que havia a possibilidade de conseguir fazer a aplicação das vacinas em sua filha na UBS do bairro Matadouro, mas, devido estar próximo do horário de fechamento das unidades, correria o risco de, ao chegar ao local, encontrá-lo fechado. A situação causou revolta no policial.

Ele contou, ainda, que não foi informado em nenhum posto de saúde sobre a disponibilidade da vacina.

Em nenhum momento eles falaram se tinha a vacina ou não. De imediato, eles já diziam que não tinha o profissional para aplicar. Mas, não teve nenhum posto que tivesse enfermeira. Em todos os cinco em que fui, não havia profissional”, atenuou.

Em contato com a Secretária de Saúde de Patos, a nossa reportagem recebeu um áudio da assessoria de imprensa da Secretaria de Saúde de Patos onde o secretário de saúde, Segundo Sátiro reconhece as dificuldades encontradas no escalonamento de profissionais durante o período de férias, mas não apontou nenhuma solução para o problema enfrentado pelo policial André.

Confira a transcrição do áudio.

Quando assumimos a secretaria, observamos que não havia um escalonamento de férias por unidades e DGAs. Coincidia de haver férias de quase todos os servidores de uma mesma unidade de saúde. Precisamos restabelecer essa meta de trabalho. Rever toda a questão de estrutura, rever todos os serviços, rever as condições de trabalho, e partir dar rever toda a estrutura administrativa e pessoal para que a gente tenha um escalonamento de férias e possa prestar o serviço que a população tanto espera. Até a próxima semana já terá um direcionamento para essas ações. Não é um trabalho a longo prazo. A partir da próxima semana, as unidades que já conseguirem atender, nós iremos normalizando isso. E, mantendo esse ritmo, em até 30, 40 dias no máximo, esteja tudo estabelecido na nossa atenção básica”, explicou Segundo.

Fonte – Portal TV Sol