Polícia prende um dos suspeitos de chacina em Catolé do Rocha



Foi preso na manhã deste domingo (16), durante uma operação das polícias Civil e Militar, um dos suspeitos de executar pelo menos seis pessoas em Catolé do Rocha, no Sertão da Paraíba, no mês de junho. Foram quatro pessoas mortas em uma tarde, sendo três pessoas assassinadas em uma mesma casa. O caso foi investigado como vingança.

De acordo com a Polícia Militar, o homem é suspeito de mais 20 homicídios na cidade. Na operação, foram apreendidos ainda uma pistola, uma espingarda, revólver e também munições. Ele foi encaminhado para a delegacia de Catolé do Rocha.

Segundo a PM, a princípio, os quatro homens mortos no dia 21 de junho são da mesma família. “Cada um levou pelo menos 40 disparos, morte violenta”, disse o capitão Leandro Esmeralvo, da Polícia Militar. Conforme detalha a Polícia Militar, a chacina começou com uma guerra de facção e drogas, quando alguns indivíduos foram liberados da prisão.

Na tarde do dia 21 de junho foram mortos José da Silva Lima (48 anos, agricultor), Jonatas Linhares Lima (18 anos, agricultor, filho de José da Silva), Erinaldo Severino (57 anos, agricultor) e Tadeu de Sousa Almeida (36 anos, morava na casa da frente).

A chacina começou por um homicídio que aconteceu no dia anterior, dia 20. A vítima seria uma pessoa que, de acordo com a PM, provavelmente, não tinha envolvimento com drogas ou com o tráfico. “Começou com a guerra de droga e agora tá se estendendo para os familiares”, disse o capitão Leandro Esmeralvo.

Ainda conforme informações da Polícia Militar, no dia 21, cerca de seis a oito suspeitos chegaram por uma mata, armados com pistola, e mataram quem era parente do suspeito que teria executado o homicídio do dia anterior.

O delegado de Catolé do Rocha, Roberto Barros, informou que os suspeitos fizeram terror na cidade antes das execuções.

G1 PB




Em cumprimento à Legislação Eleitoral, o Portal Patosonline.com não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2020 se encerrarem.