PMDB de Patos teria eleito seis vereadores com 17 vagas em 2012



Faltando pouco tempo para terminar o prazo de filiação e desfiliação partidária, com vistas as eleições de 2016, um levantamento do Instituto Patoense de Pesquisa e Estatística-INPPE, aponta que o PMDB Patoense só conseguiria eleger seis vereadores em 2016, se a disputa tivesse ocorrido com 17 vagas.

O detalhe é que com 59.959 votos válidos naquele ano, o Quociente Eleitoral seria 3 mil 115 votos, caso as 17 vagas já estivessem valendo, a exemplo do que vai acontecer em 2016. 

De acordo com o INPPE, a coligação formada por PMDB; PRB e PTB, que alcançou 15 mil 207 votos, elegeria seis vereadores, o suficiente para garantir a eleição dos candidatos Sales Júnior; Marcos Eduardo; Nadir Rodrigues; Jeferson Melquíades; Ranieri Ramalho e Maurício Alves, ou seja, dois a mais que no quadro formado com 13 vagas. 

A segunda coligação mais votada segundo o INPPE, composta por DEM; PRTB; PSD e PSDB, somou 10 mil e 23 votos, total suficiente para garantir o mandato de Dr. Ivanis; Inácio de Gelo e Ísis Carla, mesmo número de eleitos da distribuição com 13 vagas. 

Na coligação formada por PP; PC do B; PHS; PPL; PR; PTC e PT do B, que terminou a eleição com 7 mil 318 votos, não haveria alteração, continuando eleitas Lucinha Peixoto e Cláudia leitão, a exemplo do que aconteceu em 2012. Mesma situação ocorreria na coligação formada por PV e PDT, que elegeu Jardelson e Toinho Nascimento, após somar 7 mil 131 votos. 

No levantamento do INPPE, a coligação formada por PT; PMN e PSC, elegeria Fernando Jucá e Natan Monteiro, como resultado de 6 mil 207 votos, enquanto que a coligação formada por PSB; PPS e PRP, elegeria Diogo Medeiros e Assis Sousa, com um total de 5 mil 711 votos obtidos. 

De acordo com o jornalista Genival júnior, diretor do INPPE, Patos teria eleito cinco candidatos entre 598 e 702 votos, casos de Natan Monteiro, Toinho Nascimento; Fernando Jucá; Jardelson Pereira e Assis Sousa; o que significa dizer que podemos projetar um cenário parecido para as eleições do próximo ano.

 Ainda segundo o Instituto, o número de candidaturas registradas; de eleitores que ficarem após a biometria e mudanças na legislação eleitoral poderão ser determinantes para mudança no cenário das eleições proporcionais do ano que vem.

 

FONTE: Genival Júnior(site: boasnovaspb.com)