BrasilPolitica

PGR pede ao STF inclusão de Bolsonaro em inquérito sobre atos em Brasília

Representação sugere que, ao postar vídeo no dia 10 de janeiro questionando a regularidade das eleições presidenciais de 2022, Bolsonaro teria feito incitação pública à prática de crime

ÓTICAS GUIMARÃES

Procuradoria-Geral da República (PGR) pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) a inclusão do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) no inquérito que apura a instigação e autoria intelectual dos atos antidemocráticos que resultaram em episódios de vandalismo e violência em Brasília no último domingo (8).

O procedimento investigatório trata dos “autores intelectuais” “dos atos antidemocráticos”. Agora, caberá ao ministro Alexandre de Moraes analisar o pedido e decidir se abre ou não a investigação, ou se encaminha o pedido para outro ministro da Corte.

O pedido se deu após membros do Ministério Público Federal (MPF) apresentarem um pedido pela investigação. A representação sugere que, ao postar vídeo no dia 10 de janeiro questionando a regularidade das eleições presidenciais de 2022, Bolsonaro teria feito incitação pública à prática de crime. A postagem foi apagada após a veiculação, no dia 11 de janeiro.

Ao todo, sete inquéritos foram requeridos ao Supremo Tribunal Federal para apurar as responsabilidades pelos ataques e atos de violência. As apurações estão divididas em núcleos que buscam identificar executores, financiadores, autores intelectuais e instigadores e autoridades públicas envolvidas.

A adoção dessa metodologia visa a garantia da agilidade nas investigações e, consequentemente, na apresentação de denúncias naqueles casos em que ficar comprovada a prática de crimes pelos envolvidos. O objetivo final é assegurar a condenação dos autores dos atos criminosos, respeitando o devido processo legal.

De acordo com os pedidos, serão investigados, entre outros, os crimes de terrorismo, associação criminosa, abolição violenta do Estado Democrático de Direito, golpe de Estado, ameaça.

CNN tenta contato com o ex-presidente.

Fonte: CNN Brasil


Mostrar mais
Botão Voltar ao topo