Locais

Pessoas com deficiência visual falam sobre desafios e exclusão social que sofrem em Patos; Veja

"O que mais prejudica é a falta de amor ao próximo", diz professora

ÓTICAS GUIMARÃES

A professora Silvânia Lucena, da escola Irmã Benigna, em Patos, concedeu entrevista à Rádio Espinharas de Patos, nessa segunda-feira, dia 29, e conversou sobre a importância do respeito. Silvânia aproveitou ainda para cobrar mais acessibilidade e providência do Poder Público quanto às calçadas obstruídas e a falta de rampas e de faixa de segurança.

Para Silvânia, o que mais prejudica é a falta de amor ao próximo, pois ela diz que se a pessoa se colocar no lugar no outro tudo vai mudar. A professora fez um breve relato dos principais desafios que a pessoa com deficiência enfrenta durante o dia ao sair de casa.

“A falta de empatia que existe, temos diversas dificuldades, como as calçadas, que não podemos usar, e dividimos espaço com cadeiras, expositores, e com os carros, as pessoas não respeitam. Temos dificuldade de andar com os nossos alunos pelas ruas, quando caímos dentro do buraco da Cagepa que tiraram a tampa, ninguém respeita faixa de segurança, faixa de pedestre. O que falta é a empatia, se colocar no lugar do outro, essa é a nossa realidade. Atender bem, quando chegamos numa loja, quando falam: ‘vocês são cegos, deviam estar em casa’. Uma vez uma senhora me derrubou de frente à Catedral e disse: ‘não sei por que cego na rua’. Então falta o respeito, falta a empatia e desocupar as calçadas”, alertou a professora.

Silvânia cobrou ainda mais respeito ao próximo e providência das autoridades quanto à acessibilidade, pessoas capacitadas para orientar os que apresentam alguma deficiência, e falou da importância da empatia.

“Nós todos somos deficientes, mas somos todos iguais perante Deus e perante a sociedade. Uns reclamam que tal coisa é longe, mas não é longe não, gente. Longe é para nós chegarmos onde temos que ir, como um hospital, na escola, onde temos que ir, pois falta acessibilidade. Falta uma pessoa que oriente um cego, falta um intérprete de Libras. Vamos nos respeitar mais, respeite a pessoa com deficiência e todos serão felizes dessa forma”, continuou Silvânia.

Abaixo você confere a entrevista na íntegra cedida ao jornalista Higo de Figueiredo, da Rádio Espinharas de Patos. Ouça:

Patosonline.com

Mostrar mais
Botão Voltar ao topo