Policial

Patoenses lamentam morte de sindicalista em João Pessoa

ÓTICAS GUIMARÃES

 

A Corrente Sindical Classista na Paraíba (CSC-PB), segmento do Partido Comunista do Brasil (PC do B), divulgou nota oficial nesta quarta-feira, 19, cobrando do Governo da Paraíba e da Secretaria da Segurança Pública empenho e providências urgentes nas investigações sobre o assassinato do presidente do Sindicato dos Transportes Alternativos da Paraíba, Francisco das Chagas.

Chagas, que tinha 50 anos, integrante do PC do B paraibano, foi executado na noite desta terça-feira, enquanto dormia em sua residência no Loteamento Pôr-do-Sol, no Bairro de Tibiri II, em Santa Rita.

Como nada foi levado da residência da vítima, a possibilidade de assalto foi descartada, e trabalha-se com a possibilidade de uma execução encomendada.

Aqui em Patos, o sindicalista José Gonçalves, presidente do SINFEMP – Sindicato dos Funcionários Municipais de Patos e região, cobrou empenho das autoridades nos sentido de descobrir os autores do crime e os motivos.

Em participação no programa Cidade em Debate na rádio 102 FM de Patos, na tarde desta quarta-feira, Gonçalves afirmou que a Paraíba não pode ter mais outros casos como o da sindicalista Margarida Maria Alves, brutalmente assassinado no Brejo paraibano.

Para Gonçalves, como todo sindicalista, Chagas batia de frente com interesses de muita gente, e por isso merece que a justiça desvende esse caso.

Outra patoense que ficou indignada com a morte do líder dos motoristas alternativos, foi a deputada Francisca Motta (PMDB). A parlamentar lembrou as vezes que a vítima usou a tribuna da Assembléia do Estado, solicitando a regularização de uma categoria que já conquistou a confiança da maioria dos paraibanos.

Mostrar mais
Botão Voltar ao topo