“…ou muda a política da Petrobras ou é rezar para que o dólar baixe”, diz contabilista da cidade de Patos explicando preços dos combustíveis



O contabilista José Clémerson de Almeida, bastante conhecido em sua área de atuação na cidade de Patos, foi procurado pela reportagem diante de muitas especulações, informações inverídicas e até notícias falsas que circulam nas redes sociais sobre o valor dos combustíveis.

Os aumentos constantes no valor da gasolina e do óleo diesel vem provocando revoltas, não só entre motoristas, mas também na própria sociedade, pois causa efeito cascata e dispara a inflação em diversos setores da economia. Com os aumentos, a tendência tem sido a disparada de produtos diante da política econômica de livre mercado e ausência de interferência do Governo Federal no setor.

Desde o governo do então presidente Michel Temer (MDB), o valor do petróleo está ligado às variações do preço do produto em dólar. Com o dólar em alta e a desvalorização do real, os aumentos no valor dos combustíveis estão variando sempre. A variação tem sido constantemente para cima.

Recentemente, o presidente Jair Bolsonaro (Sem Partido) fez um vídeo em seus canais em redes sociais e culpou os impostos estaduais pelos aumentos dos combustíveis. Bastou isso para milhares de cidadãos começarem a culpar os Governadores pelos aumentos. Bolsonaro prometeu “zerar” os impostos federais sobre os combustíveis. A promessa está sendo aguardada.

Clémerson de Almeida disse que o preço dos combustíveis está ligada diretamente ao Conselho Nacional de Política Fazendária (CONFAZ), onde é determinada a alíquota de cada imposto. Na Paraíba, o Imposto sobre Circulação de Mercadorias (ICMS) é de 27% mais 2% do FUNCEP e cada estado tem a sua, mas o cálculo do combustível não é, como muitos pensam, esse valor do ICMS acrescido no valor de cada litro. Segundo a FECOMBUSTÍVEIS, em média, 44% do valor do combustível é imposto. “Muitos questionam a alta do preço do combustível com relação aos tributos, mas esses percentuais faz muito tempo que são praticados! Na verdade, o que acontece na alta dos preços é o dólar…enquanto o dólar estiver oscilando, e normalmente ele diminui pouco e aumenta muito, vai continuar essa prática e vai aumentar…”, relatou Clémerson.

Nesta sexta-feira, dia 19, o combustível teve mais um aumento. A gasolina subiu mais de 10% e o óleo diesel mais de 15% nas refinarias. “Ou muda a política da Petrobas, que eu acredito que não muda, ou então é rezar para que o dólar baixe…”, finalizou Clémerson que explicou detalhadamente sobre os impostos e os cálculos sobre os combustíveis.

Ouça entrevista com José Clémerson de Almeida:

Jozivan Antero – Patosonline.com