Operação apreende drogas, celulares e outros objetos no Presídio de Cajazeiras



Os agentes penitenciários do Presídio Regional de Cajazeiras realizaram nessa segunda-feira (17), uma nova Operação Pente Fino e juntamente com a direção da casa de detenção e a Polícia Militar foi feita uma varredura em várias celas, onde foram encontrados dois aparelhos celulares, dois carregadores e uma pequena quantidade de drogas, medicamentos controlados, espetos artesanais, cachimbos para uso de drogas, além de outros objetos ilícitos.

Segundo Pingo D’água foi identificada a participação direta de quatro apenados que serão indiciados no desenrolar das investigações e do inquérito policial por estarem com este material ilícito dentro do presídio, além de detectar o envolvimento de outros presos.

“Há apenados que tomam remédios controlados, mas estes estavam consumindo além do indicado pelo médico. De agora em diante teremos mais cuidado para que esta droga não entre no presídio descontroladamente, pois foi apreendida uma grande quantidade dos remédios em uma só cela”, revelou.

Desconfiança de comportamento

O diretor do Presídio, Pingo D’água disse que as operações são realizadas quando a direção desconfia de comportamento diferente dos apenados em determinadas celas. "Elaboramos um plano operacional na semana passada com o Major Ronildo, comandante do 6° BPM, o sub-comandante Major Guedes, o Capitão Segundo, dentre outros oficiais da corporação", salientou.

 “Este material foi apreendido, já identificamos os proprietários dos objetos e os mesmos estão sendo conduzidos para a Delegacia de Polícia para serem autuados em flagrante pelas autoridades”, revelou.

Confecção de um boneco de pano

O diretor revelou também que no interior do presídio foi encontrado um boneco de pano confeccionado pelos próprios presos, tanto para  substituição de algum presidiário em caso de fuga, no momento da contagem dos detentos, como também para ocultar drogas.

“Estamos concluindo as investigações e acredito que iremos descobrir a procedência dos materiais ilícitos, além de continuar com fiscalizações rigorosas e redobradas pela Polícia Civil”, finalizou.

Diário do Sertão