“O presidente vem com suas mentiras grosseiras”, diz funcionário dos Correios em greve na cidade de Patos



Os trabalhadores da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos estão comemorando a adesão de quase 100% na greve dos funcionários também no Município de Patos. No Brasil, a paralisação é considerada histórica diante da união e da luta em todo o território nacional pelo fortalecimento dos Correios que vem sofrendo vários ataques no Governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Na manhã desta sexta-feira, dia 13, em frente da agência central dos Correios, na Rua Epitácio Pessoa, Centro de Patos, os trabalhadores mantiveram a unidade e a greve entrou para o 3º dia sem previsão de encerramento. A tenda montada em frente dos Correios fornece a estrutura mínima para os trabalhadores que conversam com os cidadãos e explicam o porquê da greve.

Greve dos Correios em Patos

Danilo Perônico, concedendo entrevista em nome do Sindicato dos Trabalhadores em Correios e Telégrafos da Paraíba (SINTECT-PB), disse que a paralisação segue firme, pois o Governo Federal não quer aceitar propostas mínimas diante do dissídio que teve início no mês de julho. O Tribunal Superior do Trabalho (TST) tentou intermediar uma negociação, mas os representantes do Governo se recusaram a aceitar.

Danilo Perônico relatou que o Governo do presidente Jair Bolsonaro vem mentindo para a sociedade sobre questões relacionadas aos Correios. A greve também é para evitar a venda da estatal lucrativa, mas que o governo diz que gera prejuízos mesmo diante de números que mostram o contrário e os lucros. “…uma das pessoas que estão sendo investigadas por provocar esse rombo na nossa previdência privada, assim como na do Banco do Brasil, Caixa Econômica, Petrobrás…é o próprio Ministro Paulo Guedes é um dos investigados…o presidente (Bolsonaro) vem com suas mentiras grosseiras espalhar para a imprensa”, comentou Danilo.

OUÇA entrevista com Danilo Perônico:

Jozivan Antero – Patosonline.com




Em cumprimento à Legislação Eleitoral, o Portal Patosonline.com não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2020 se encerrarem.