O Governo do Estado está tentando uma solução legal e urgente para resolver a crise na maternidade Peregrino Filho, em Patos, no Sertão da Paraíba. De acordo com a Secretaria de Saúde, neste sábado (23), não ocorrerá necessariamente uma “intervenção”, como adiantado nesse sexta (22) pelo Conselho Regional de Medicina na Paraíba (CRM-PB).

A empresa que recebe os repasses do Estado e faz o pagamento de salários dos servidores da maternidade está com contas bloqueadas e por isso não consegue fazer essa operação.

De acordo com a Saúde, a sugestão do Estado é nomear uma pessoa para receber esse pagamento, em uma conta própria para isso, e ela passaria a ser a responsável por realizar os repasses para os funcionários.

Apesar da sugestão, a medida ainda não foi definida e segue sob discussão, por isso não há uma data para que o problema seja totalmente resolvido. O CRM-PB informou que os atendimentos na unidade podem ser suspensos por causa da falta de recursos.

 

 

 

Por / Alisson Correia e Halan Azevedo - Portal Correio