O caos reina na Maternidade Peregrino Filho aqui em Patos. Alguns médicos estão sem receber salários desde dezembro de 2018, e já começa a faltar insumos básicos para os procedimentos. Gestantes de cidades vizinhas estão sendo dispensadas e indicadas para procurarem outros locais para atendimento para evitar número maior de atendimentos. Como a Maternidade em Patos é referência para grande parte do sertão, a tendência é aparecerem os primeiros problemas com vidas em risco.   

Na tarde desta quinta-feira, 21 de março, uma profissional de saúde, que trabalha na Maternidade e pediu pra não ser identificada, entrou em contato com a Redação do Patosonline.com, e pediu ajuda do nosso portal, no sentido de divulgar o fato.

Essa pessoa está apreensiva, e disse que teme pela vida de mães jovens e bebês, podem morrer por falta de remédios. Ela disse que os medicamentos mais importantes já acabaram, e que o estoque de gases, por exemplo, só aguenta até amanhã (22).

Essa profissional disse que estão trabalhando sobre pressão, e algumas pacientes já estão tendo que ser transferidas, mas há muita dificuldade de se conseguir vagas em Campina Grande e João Pessoa.

Nesta quinta-feira (21), o Conselho Regional de Medicina – CRM, após uma visita à Maternidade, realizou uma reunião com o Ministério Público Federal, e pediu ajuda para tentar resolver o problema.

Veja o registro da reunião:    

 

 

 

Patosonline.com