Policial

Mulher de Imaculada que está no Presídio Feminino de Patos tenta fazer contato com a família; diretora da unidade explica situação

ÓTICAS GUIMARÃES

A redação do Patosonline.com recebeu na tarde desta quarta-feira, dia 18 de janeiro, o contato de uma internauta fazendo o relato de uma situação envolvendo uma detenta do Presídio Feminino de Patos.

A internauta conta que no último domingo, dia 15 de janeiro, esteve visitando sua mãe na unidade prisional e a companheira de cela dela pediu para que a mesma repassasse um recado a imprensa para tentar localizar seus familiares.

A detenta, de nome Lucilene Ferreira de Souza, residente no município de Imaculada – PB, informou à visitante que foi presa há cerca de dez dias e nenhum familiar presenciou o momento da prisão, sendo esse o motivo para até agora não ter feito contato com nenhum deles.

Além disso, Lucilene disse que reside na Rua Joaquim Alves da Costa, no bairro São José, vizinho a um bar conhecido como “Bar de Bá”, na cidade de Imaculada. A mesma também informou que seu esposo é conhecido popularmente como “Zé Fofão”.

Sobre o assunto, a nossa equipe fez contato com a diretoria do Presídio Feminino, Alessandra Malaquias, que explicou mais detalhes sobre essa situação.

Alessandra informou que a detenta Lucilene Ferreira de Souza deu entrada no Presídio Feminino de Patos no dia 09 de janeiro, mas no momento de preencher o formulário com informações pessoais, ela não lembrava o contato de nenhum familiar.

“Quando uma presa dá entrada na unidade é preenchido um formulário com algumas informações sobre ela, incluindo um contato telefônico da família. Quando essa pessoa fornece o contato, é repassado para a assistente social, a assistente entra em contato com os familiares, porque nesse contato ela dá informações de como a pessoa está, também é repassado a documentação para fazer cadastro, o que entra ou não na unidade, a vestimenta para os dias de visita e tudo mais que a família queira saber. No caso de Lucilene, ela não lembra de nenhum contato de familiar. Foi perguntado a ela semana passada, se ela lembrava, pra assistente social fazer esse elo, essa comunicação, mas ela disse que não se recorda de nenhum número da família dela, por isso que não houve esse contato da assistente social com a família. Não há nenhum número de telefone pra que possa entrar em contato com a família dela”, disse Alessandra.

A matéria do Patosonline.com busca fazer esse apelo para que os familiares de Lucilene se dirijam até o Presídio Feminino de Patos e façam esse contato com a mesma.

Por Patosonline.com


Mostrar mais
Botão Voltar ao topo