Mulher com possíveis transtornos mentais atormenta vida dos vizinhos no Bairro Maternidade, em Patos



Vários moradores das Ruas Maria de Sousa Barreto e Padre Anchieta, trecho no Bairro Maternidade, em Patos, estão vivendo uma situação de desassossego permanente mediante problemas de relacionamento envolvendo a senhora Marlene Minervino de Sousa, 52 anos.

Marlene reside sozinha em uma casa na Rua Padre Anchieta e o conflito se tornou caso de polícia e até de justiça, pois envolve diretamente 4 vizinhos idosos. Dois vizinhos moram ao lado da casa de Marlene na Rua Padre Anchieta. Outros dois residem por trás na Rua Maria de Sousa Barreto.

Marlene na porta de sua casa

A queixa de todos os moradores é a mesma: lixo, ovos, resto de comida, querosene e até fezes que são jogadas por Dona Marlene nas casas dos vizinhos. As marcas dos objetos indesejados sacudidos por cima do muro estão em diversos cantos e também em vídeos registrados.

O senhor Geraldo Enéas de Sousa, 65 anos, residente na Rua Maria de Sousa Barreto há 40 anos, relatou de forma dramática a situação. Seu Geraldo, como é mais conhecido, reside com sua esposa por trás da casa de Marlene. De tanto ter lixo jogado no muro da casa dele, Seu Geraldo foi obrigado a colocar uma tela de proteção, aumentar a parede do muro causando desconforto por falta de ventilação, retelhar e trocar parte da cobertura, pois até larvas surgiram diante da quantidade de restos de comida atirados sobre o telhado.

Seu Geraldo Éneas no muro de sua residência

Geraldo Enéas ficou tão abalado com a situação conflitante que teve problemas de saúde. O idoso precisou de acompanhamento psicológico, perdeu peso e viveu momentos de angustia diante da falta de solução para o problema. São quase dois anos convivendo com a vizinha que joga lixo sobre as casas dos demais moradores.  

Outra idosa, a senhora Maria dos Anjos Soares Ferreira, 65 anos, mais conhecida por Poroca, também tem sofrido com os atos da vizinha Marlene. Maria levou o caso ao conhecimento de um irmão de Marlene, mas o irmão apenas lamentou o fato. A situação perdura por dois anos na localidade e até a Delegacia da Mulher foi acionada, mas não pode fazer nada, pois não existia agressão ou caso que fizesse parte da delegacia.

Dona Fátima, que mora vizinho de Marlene, é outra vítima. Fátima disse que ovo, resto de carne, pedras e querosene é jogado na área de entrada da casa. O caso começou há cerca de 2 anos e acontece quase que diariamente.   

Tela e elevação de muro na residência de Seu Geraldo

O caso também foi levado ao Fórum Miguel Sátiro. Aconteceram duas audiências sem resolutividade. Neste mês de fevereiro de 2020, a família do senhor Geraldo participará de mais uma audiência e se espera solução para o verdadeiro inferno vivido na localidade.

A reportagem foi ouvir a acusada de jogar lixo na casa dos vizinhos. Ela nega e disse que, na verdade, é vítima dos vizinhos que se combinam para jogar lixo e destruir a casa dela. Bastante nervosa, Marlene convidou a reportagem para adentrar na residência e disse que está sendo atacada pelos vizinhos, mas não apresenta consistência em tal relato.

Veja o vídeo:


Jozivan Antero – Patosonline.com