• Dra Milena
Policial

MP da Paraíba pede que seja retomada investigação de denúncia contra ator José Dumont por estupro de menores

Ator deverá sera ouvido pela polícia por vídeoconferência. Caso teria ocorrido em 2009

ÓTICAS GUIMARÃES

O Ministério Público da Paraíba (MPPB) anunciou, nesta segunda-feira, ter requerido a retomada das investigações de um inquérito policial que apura uma denúncia de crime de estupro de vulnerável contra o ator José Dumont. De acordo com o relato de duas testemunhas, o delito teria ocorrido em 2009, no interior de um apartamento onde o ator se hospedava, no município de Cabedelo, e envolveria meninos na faixa etária de 8 a 14 anos.

Ainda segundo o Ministério Público da Paraíba, a estimativa é de que José Dumont, que está preso no Rio, seja ouvido sobre o caso nos próximos 30 dias. A tendência é a de que o ator seja interrogado pela polícia paraibana pelo sistema de videoconferência.

Segundo o Ministério Público daquele estado, o inquérito estava parado desde 2013, após tentativas fracassadas de localizar e ouvir o ator, no Rio e em São Paulo, por carta precatória. Ainda segundo o MPPB, o inquérito foi encaminhado para a autoridade policial com um pedido de que vítimas do suposto crime sejam identificadas e ouvidas.

José Dumont — Foto: Divulgação TV Globo / Foto de João Miguel Junior

Como a investigação não encontrou indícios suficientes da autoria do crime, o ator não foi denunciado pelo Ministério Público. O caso veio à tona depois que duas mulheres procuraram o Ministério Público Federal (MPF) para denunciar que o ator levava crianças para seu apartamento. O MPF encaminhou a denúncia para o Ministério Público estadual que ouviu as duas testemunhas e ainda uma terceira pessoa. Esta última também confirmou ter visto o ator levando meninos para seu apartamento. No entanto, as crianças não foram identificadas e localizadas.

O ator José Dumont foi detido na ultima quinta-feira por armazenar imagens de crianças com teor sexual. Na ocasião, policiais da Delegacia da Criança e Adolescente Vítima (Dcav) cumpriam um mandado de busca e apreensão na residência do ator, no Catete, na Zona Sul do Rio, quando encontraram cerca de 240 arquivos, entre imagens e vídeos, de pornografia infantil.

Também foi encontrado, na mesma operação, um comprovante de depósito bancário para uma vítima de abuso sexual, investigação que motivou a operação de busca e apreensão. O artista já era investigado pela Dcav pelo estupro de um menino de 12 anos, que teria recebido os mil reais do ator após o crime.

De acordo com a polícia, ele teria se aproveitado do prestígio e reconhecimento como ator para atrair a atenção do adolescente de 12 anos, que era seu fã. A investigação aponta ainda que ele desenvolveu um relacionamento próximo com o menino, oferecendo ajuda financeira e presentes, valendo-se da vulnerabilidade financeira da vítima para, a partir daí, fazer investidas com beijos na boca e carícias íntimas, que acabaram sendo captadas por câmeras de vigilância, dando início às investigações.

Na decisão que converteu a prisão em flagrante do ator José Dumont em preventiva, por armazenar pornografia infantil, em audiência de custódia realizada nesta sexta-feira, o juiz Antonio Luiz da Fonseca Lucchese, argumentou que “a situação tem contornos de gravidade” ao apontar, no documento, que teriam sido encontrados com o ator cerca de 240 arquivos, entre imagens e vídeos, o que indicia reiteração criminosa.

Confrontado com as imagens de pornografia infantil apreendidas em seu celular e no seu computador pessoal, o ator confirmou, em depoimento prestado à polícia na quinta-feira (15), ao qual O GLOBO teve acesso, que elas eram de sua propriedade e faziam parte de um “estudo para a futura realização de um trabalho acerca do tema, sem tabus ou filtros”. A reportagem procurou a defesa do ator para falar sobre o caso ocorrido na Paraíba, mas ainda não conseguiu contato com o advogado de Dumont.

Com mais de 40 de carreira, José Dumont estava escalado para a novela “Todas as flores”, no Globoplay, plataforma de streaming da TV Globo, que tem estreia prevista para outubro. Em nota, a Globo afirmou que o ator foi retirado da trama criada e escrita por João Emanuel Carneiro com direção artística de Carlos Araujo. O último trabalho do ator na emissora foi em “Nos tempos do imperador” (2021). Na novela, ele interpretava coronel Eudoro, um fazendeiro viúvo, pai de Pilar (Gabriela Medvedovski) e Dolores (Daphne Bozaski).

Por O GLOBO


Mostrar mais
Botão Voltar ao topo