Policial

Motorista alternativo é acusado de pedofilia ele foi flagrado em companhia de uma menor

ÓTICAS GUIMARÃES

O motorista alternativo Loudemar Gomes da Paixão, 46 anos de idade, casado, residente na Rua Santa Luzia, bairro Belo Horizonte, foi preso nesta quarta-feira (25), acusado de pedofilia contra uma menina de 12 anos de idade.

O acusado foi preso em flagrante pela Polícia Militar em companhia da menor por volta das 20h40m numa localidade erma, nas proximidades do posto Cruz da Menina, nas imediações da Vila Mariana.

De acordo com o delegado plantonista Elceudo Engel Leite de Sousa, que lavrou o auto de prisão em flagrante contra o acusado, a garota contou detalhadamente que o mesmo estaria tentando fazer sexo oral com ela, porém com a chegada da polícia a situação foi evitada.

Para complicar ainda mais a situação, o bacharel disse que a menina contou que essa não tinha sido a primeira vez que Loudemar havia praticado sexo oral com ela. Da outra vez, o acusado supostamente teria dado a criança a quantia de $R 4,00 (quatro reais) para a prática.

Suposições apontam que ela (a criança), é acompanhada por um dos CAPS aqui em Patos, o que significa dizer que ela é considerada uma criança especial.

Loudemar nega veementemente as acusações e disse que conhece a criança mais não tinha de maneira nenhuma a intenção de “fazer esse tipo de coisa”, porém não conseguiu explicar a polícia o que fazia com ela numa localidade considerada erma, sem movimentação naquela hora.

Com o acusado a polícia encontrou 06 (seis) preservativos (camisinhas) além de pastel e refrigerante dentro do carro.

O flagrante só foi realizado graças a uma ligação anônima para o COPOM informando a situação a polícia que imediatamente enviou ao local indicado pelo denunciante uma VTR (viatura).

No momento da abordagem a menina permaneceu dentro do carro enquanto que o acusado desceu para dar explicações à polícia, porém de acordo com eles, Loudemar alegou que a menina era sua sobrinha e acabou entrando em contradição.

Uma equipe do Conselho Tutelar foi acionada e esteve na delegacia acompanhando o depoimento da vítima. Mas o que chamou atenção das autoridades foi à ausência da mãe, pai ou responsável que até próximo das 22 horas ainda não havia comparecido a delegacia para saber do paradeiro dela.

 

Mário Frade – Portalpatos

Mostrar mais
Botão Voltar ao topo