Ministério Público perde prazo e prefeito de Catingueira deve ser solto



O prefeito de Catingueira, José Edvan Félix (PR), preso por falsidade ideológica e crime contra o sistema financeiro nacional no último dia 20 de março, teve o pedido de relaxamento de sua prisão aceito pelo juíz Paulo Roberto de Oliveira, da 5º Região do Tribunal Regional Federal, e aguarda o alvará de soltura para deixar o presídio Romero Nóbrega, na cidade de Patos.


Conforme o advogado do prefeito, Francisco de Assis Remigio, a ação penal não tinha sequer começado. O Ministério Público teria cinco dias para formalizar a ação, sob os crimes que a Polícia Federal apontou. No entanto, decorrido o prazo sem que houvesse nenhuma formalização da ação, foi pedido o relaxamento da prisão de José Edvan, condedido nesta quarta-feira (22). A decisão foi extendida aos outros dois acusados.


Juntos com José Edvan, também foram presos José Hamilton, secretário de finanças do município, e Theófito Gomes, funcionário da prefeitura. As prisões aconteceram por causa de supostas irregularidades na folha de pagamento do município.


Eles estariam fazendo empréstimos consignados em nome de mais de 50 funcionários públicos durante os anos de 2006 e 2007. O prejuízo causado aos cofres públicos foi de quase um milhão de reais.


Paraiba1.com.br


Foto/Patosonline.com