Brasil

Milhares de brasileiros enfrentam a noite em várias cidades, 11 Estados e o DF contra retorno de Lula à presidência

Manifestantes protestaram contra censura e pediram que Brasil se distancie de países como Venezuela e Nicarágua; em Novo Progresso (PA), houve confronto dos participantes com a Polícia Rodoviária Federal

ÓTICAS GUIMARÃES

Brasileiros voltaram às ruas para protestar contra o retorno de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ao comando do Palácio do Planalto a partir do próximo ano. Nesta segunda-feira, 7, manifestações ocorrem em 11 Estados brasileiros: Acre, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Rondônia, São Paulo e Santa Catarina, além do Distrito Federal. Na capital paulista, o local escolhido é novamente o Comando Militar do Sudeste, no Ibirapuera. Há pessoas acampadas no local desde o último dia 2. Trajados de verde-amarelo, os participantes do ato pediram “socorro” às Forças Armadas, criticaram a condução do processo eleitoral brasileiro pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) — presidido por Alexandre de Moraes — e demostraram temor com a possibilidade de o governo voltar a dialogar com ditaduras de esquerda como Cuba, Venezuela e Nicarágua ou de tomar os rumos econômicos da Argentina — governada por Alberto Fernández, político muito próximo a Lula. O Comando Militar do Leste, no Rio de Janeiro, e o Quartel General do Exército, em Brasília, também voltaram a registrar manifestações.

Em Rio Branco, no Acre, protestantes que antes ocupavam a rua em frente ao 4º Batalhão de Infantaria de Selva do Comando de Fronteira permaneceram na calçada do local. A mudança ocorre após uma determinação do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), para que a Polícia Militar exerça a “imediata desobstrução de todas as vias públicas que, ilicitamente, estejam com seu trânsito interrompido”. Na decisão, o magistrado restabelece a pena de R$ 100 mil por hora para os proprietários dos veículos que utilizarem seus automóveis para eventuais bloqueios e a quem fornecer “apoio material (logístico e financeiro)” aos participantes.

Já no Mato Grosso, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) informou que trechos de vias federais, anteriormente desbloqueados pela corporação, voltaram a ser obstruídos. As rodovias BR-364, BR-163 e BR-158 sofreram quatro bloqueios. Segundo o órgão de fiscalização das estradas do país, a maioria das interrupções são parciais e há apenas um ponto de interdição total. Nas margens das rodovias, a PRF afirmou que ocorrem manifestações nas cidades de Rondonópolis, Sapezal, Matupá, Sinop, Lucas do Rio Verde, Nova Mutum, Água Boa, Pontes e Lacerda, Guarantã do Norte e Comodoro. No Mato Grosso do Sul, três rodovias estaduais amanheceram com manifestações nesta segunda. Mesmo com a presença dos protestantes, não há vias bloqueadas e o fluxo de veículos segue, apesar dos transtornos. Informações da Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública pontuam que as cidades de Nova Andradina, Batayporã Dourados e Chapadão do Sul abrigam pontos de encontro entre os manifestantes. Em Minas Gerais, o perfil da empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte publicou em suas redes sociais que manifestantes ocuparam a avenida Afonso Pena e bloquearam três faixas às 10h39. Ao longo do dia, houve a liberação do ponto de passagem, ao passo que os protestantes seguiram em direção da Praça 7, na capital mineira.

Em Novo Progresso, no Pará, uma ação da Polícia Rodoviária Federal que tinha como objetivo desbloquear trecho da BR-163 resultou em um briga entre manifestantes e agentes de segurança. Após a intervenção dos policiais, passou a circular nas redes sociais que uma criança havia sido possivelmente atacada. Em nota, a informação foi desmentida pela PRF em seu Twitter após a corporação afirmar que a criança envolvida na confusão “passou mal, foi socorrida pelos policiais rodoviários federais, levada ao pronto atendimento, passa bem e já recebeu alta médica”. Na mesma ação, um agente da PRF foi ferido pelos manifestantes. Em Santa Catarina, pessoas que participavam dos protestos entraram em confronto com policiais rodoviários em frente a uma loja da Havan.

No Estado paranaense, a Polícia Militar informou que Maringá apresenta protestos de manifestantes insatisfeitos com o resultado eleitoral, com um ato em frente ao Tiro de Guerra, bem como o município de Toledo. As cidades de Realeza, Cianorte, Umuarana, Arapoti, Campo Mourão e Peabiru também registram bloqueios em rodovias estaduais. Em Rondônia, a PRF registrou interdições nas rodovias próximos às cidades de Vilhena, Pimenta Bueno, Cacoal, Ariquemes e São Miguel do Guaporé. Em Santa Catarina, a prefeitura de Joinville informou que agentes de trânsito passaram a trabalhar para desobstruir a rua Ministro Calógeras, esquina com a rua General Valgas Neves, em decorrência do aumento no número de manifestantes no local.

Jovem Pan


Mostrar mais
Botão Voltar ao topo