Médicos Residentes e Preceptores de Medicina de Família e Comunidade divulgam Carta aberta à População de Patos



Carta aberta à População de Patos

Nós, Médicos Residentes e Preceptores das Unidades Básicas de Saúde de Patos, viemos a público expor à população desta cidade o descaso e o desrespeito da atual Gestão para conosco.

No dia 22 de maio de 2020, o então prefeito interino de Patos, Antônio Ivanes de Lacerda, sancionou a Lei nº 5.383/2020, que criou a gratificação extraordinária e transitória de combate à COVID-19 aos servidores públicos e funcionários municipais que estivessem efetivamente prestando serviços e diretamente expostos ao contágio pelo Coronavírus, com o valor de 400,00 (quatrocentos reais) mensais.

Do total de 42 médicos que prestam serviços à população patoense nas unidades básicas de saúde, quase metade das UBS são médicos residentes e preceptores em Medicina da Família e Comunidade, dentre estes os quatros médicos da linha de frente das Unidades Âncoras (UBS de atendimento exclusivo aos pacientes suspeitos e portadores de COVID-19), no entanto nenhum destes recebeu tal gratificação, e o mais grave, está registrado em nossos contracheques, ou seja, consta a gratificação no nosso contracheque, mas não foi paga!

Nosso compromisso com a população de Patos sempre foi de fornecer atendimento de qualidade e com as mais atualizadas condutas médicas, porém ao ser negado o direito à gratificação somos desvalorizados enquanto profissionais.

Diante disso contamos com a população, a quem sempre acolhemos em nossos consultórios e que sempre reconheceu nosso trabalho, para juntar-se a nós e exigir explicações da atual Gestão Municipal.

Atenciosamente,

Médicos Residentes e Preceptores de Medicina de Família e Comunidade

O Patosonline.com já fez contato com a coordenadoria de comunicação da Prefeitura de Patos e deixa o espaço aberto para a versão da gestão municipal.