Médica explica por que Ana Caroline não foi transferida, e afirma que não há motivo para pânico



Daniele Guerra, chefe da Urgência do Hospital Universitário Júlio Bandeira (HUJB), em Cajazeiras, afastou a possibilidade de ter havido transmissão para outras pessoas da meningite que matou a menina Ana Caroline Pereira Dias, de 8 anos de idade, na tarde desta quarta-feira (19), no HUJB.

Segundo Daniele, não há motivo para pânico, pois tanto o HUJB como o setor de saúde da Prefeitura de Cajazeiras tomaram todas as providências com relação ao mapeamento dos contatos mais próximos da vítima. Ela explica ainda que após 24 horas de internação, a transmissão não é possível.

Daniele também esclareceu que Ana Caroline não foi transferida para uma UTI em outra unidade de saúde mais avançada porque o estado clínico da paciente colocaria a vida dela em risco durante a transferência.

“Pela instabilidade em que ela se encontrava, era um risco muito alto fazer essa transferência, então a gente ficou durante todos esses dias em cuidados intensivos com ela”, disse.

Daniele Guerra disse que durante o tratamento havia médicos especialistas 24 horas. Mas, infelizmente, a garota já deu entrada no hospital em estado muito grave que não foi possível reverter.

O laudo ainda não foi divulgado, mas possivelmente Ana Caroline contraiu meningite através de bactéria. Daniele falou que, após as providências cabíveis, não foi constatado outro caso na região. Ana Carolina residia na cidade de Cachoeira dos Índios, a 16 km de Cajazeiras.

Diário do Sertão