• Dra Milena
Politica

Lenildo Morais comemora aprovação do PL da saúde e lamenta veto presidencial

ÓTICAS GUIMARÃES

Foi sancionada pela Presidência da República a Lei 14.434/2022, que cria o piso salarial nacional dos enfermeiros e enfermeiras, dos técnicos e técnicas de enfermagem, auxiliares e parteiras. A norma foi publicada na edição da última sexta-feira (5) do Diário Oficial da União.

Com muita pressão dos trabalhadores e trabalhadoras da saúde, a vitória foi consolidada mesmo com o veto presidencial.

Em vídeo publicado em suas redes sociais, o candidato a deputado federal, Lenildo Morais, comemorou a aprovação e destacou que a vitória é conquista da mobilização da classe trabalhadora.

“Quero cumprimentar todos os profissionais da enfermagem da Paraíba e do Brasil. Foi sancionado o PL 2564 que cria o piso nacional para toda classe da enfermagem e essa vitória é conquista da mobilização da classe trabalhadora”, destacou.

Em desabafo, Lenildo lamentou o veto presidencial e pediu a mobilização do povo.

“Infelizmente, o traste que governa o nosso País vetou alguns itens da lei. É importante que cada um de nós se mobilize para que esses vetos sejam derrubados no congresso nacional”, ressaltou o candidato.

SOBRE A LEI

A partir de agora, os enfermeiros devem receber pelo menos R$ 4.750 por mês. Técnicos de enfermagem devem receber no mínimo 75% disso (R$ 3.325). Já auxiliares de enfermagem e parteiras têm de receber pelo menos 50% desse valor (R$ 2.375).

BOLSONARO VETA INDEXAÇÃO

No entanto, o presidente Jair Bolsonaro, vetou a correção anual do piso, que seria feita pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). A correção estava prevista no projeto aprovado pelo Congresso.

AUTORIA DA PROPOSTA E DERRUBADA DO VETO

O senador Fabiano Contarato (PT-ES) é autor da proposta original. Fabiano, junto a senadora Zenaide Maia (Pros-RN), que foi relatora da matéria, já anunciaram que vão se mobilizar pela derrubada do veto presidencial.

Palloma Pires – Jornalista e Comunicadora Popular


Mostrar mais
Botão Voltar ao topo