ColunistasRoberta Trindade

Impactos econômicos da não realização do São João de Patos. Por Roberta Trindade

Outro ponto importante é a cidade figurar no calendário de eventos turísticos estadual e regional, de grande valia para uma cidade “polo” do porte de Patos

Por três anos consecutivos não se realiza o São João de Patos, um evento já consagrado no calendário turístico do sertão Paraibano, que atrai muitos turistas e tem uma vasta programação, composta por shows de grandes atrações nacionalmente conhecidas, como também, das famosas “pratas da casa”, quadrilhas, e grupos de dança em geral.

O motivo da não realização, neste ano de 2021, é plenamente justificado pela crise de saúde provocada pela pandemia do Corona vírus, que nos obriga a cumprir as recomendações da organização mundial de saúde, que inclui dentre outras coisas, o distanciamento social, e por esse motivo torna-se impossível o seu acontecimento.

Mesmo sabendo que o proposito deste escrito é apontar o impacto da não realização do São João, vou levantar inicialmente a relevância que o mesmo tem para Economia da nossa cidade.

Normalmente alguns segmentos econômicos são mais beneficiados, a exemplo de: supermercados, panificadoras, restaurantes e similares, farmácias, postos de combustível, taxi e moto taxi, hotéis que trabalham com ocupação máxima, imobiliárias que alugam, além daqueles que estão no entorno da festa, como: barracas de petiscos e bebidas, os ambulantes – isopores de bebida e água, além dos que ofertam lanches e caldinhos no pós festa.

Tive a oportunidade de coordenar uma pesquisa realizada pelo Curso de Economia da FIP, durante cinco anos, e, que atestada por dados quantitativos e por depoimentos dos comerciantes, que, no período do evento ocorria um acréscimo no faturamento em 30%, e por este motivo já se justifica a sua realização, mesmo que o dinamismo econômico seja temporário, indiretamente, todos os demais negócios são impactados positivamente. Complementando, é importante ressaltar a visitação para compra de lembranças no Mercado Central e Shopping Centers.

Outro ponto importante é a cidade figurar no calendário de eventos turísticos estadual e regional, de grande valia para uma cidade “polo” do porte de Patos.

Com base nessas afirmações, a não realização do evento, frustra muitas expectativas: do público em geral, que queria festejar e aglomerar na festa; a dos comerciantes que desejariam faturar mais; a dos turistas que vão deixar para conhecer Patos em uma nova oportunidade; e a dos gestores políticos que perdem a oportunidade de estimular o dinamismo da cidade e satisfazer os seus munícipes, ganhando assim a simpatia e o título de governo bom.

Concluo, lembrando que desta vez, o motivo é uma externalidade: a pandemia, e, portanto, foge do controle e da vontade de todos nós.

Sigamos cumprindo as determinações sanitárias dos órgãos de saúde para controlar a pandemia, na certeza de que se cada um fizer a sua parte, vamos conseguindo vencer o vírus e voltar à normalidade.

Vamos fazer os festejos juninos seguindo o que canta o “Arraia Virtuá” de Matruz com Leite: “Alavantú pra tu, anarriê pra eu, tu no teu canto e eu dançando aqui do meu. Vontade voa e a saudade cria asa, vai ter São João, mas cada qual na sua casa”

Roberta Trindade

Mostrar mais
Botão Voltar ao topo