Idealizador e organizador do 37º Festival de Poetas Repentistas de Patos faz duras críticas ao prefeito interino e a FUNDAP



Nesta quinta-feira, dia 03, às 20h30, acontece o 37º Festival de Poetas Repentistas de Patos. O evento estará sendo realizado na Área de Lazer Sol e Lua, Bairro Jatobá, e contará com a participação de grandes nomes do cenário nacional e regional de legitima cultura nordestina e sertaneja.

Estão confirmadas as duplas de poetas repentistas Ivanildo Vila Nova e Biu Dionísio; Raimundo Caetano e João Lourenço; Irmãos Pereira Paulo e Genaldo e Edmilson Ferreira e Antônio Lisboa. O festival recebe o apoio da Família Claudino e de amigos da cantoria nordestina.

No final da tarde desta quarta-feira, dia 02, o idealizador e organizador do evento concedeu entrevista ao Programa Polêmica, na Rádio Espinharas FM 97,9. Jomaci Dantas fez duras críticas ao prefeito interino de Patos, Dr. Ivanes Lacerda. De acordo com Jomaci, o prefeito interino foi o único que não ajudou em nada na realização do evento tradicional. Sem citar o nome do prefeito, mas dizendo “este que aí está”, o poeta lamentou que o interino tenha sido tão insensível a causa da cultura do repente.

O poeta Jomaci também relatou que a Fundação de Cultura de Patos (FUNDAP) não deu apoio algum ao evento e ainda colocou dificuldades para contribuir, criando empecilhos burocráticos e sugestões sem sentido, inclusive propondo que o festival fosse realizado no natal.

Desde a noite desta quarta-feira, quando as críticas aos gestores foram feitas, a reportagem não recebeu contato algum do prefeito interino de Patos posicionando sobre os fatos relatados.

O presidente da FUNDAP, Marcelo Lima, fez contato e relatou que a Prefeitura Municipal de Patos, bem como a Fundação de Cultura, se propôs a contribuir com o festival, mas aconteceram problemas diante da pandemia que culminou com o cancelamento das festas de comemoração ao aniversário de Patos, ocorrido em outubro. Marcelo disse que o festival seria realizado dentro das comemorações, mas com o cancelamento ficou difícil. Foi sugerido que se realizasse o festival no mês de dezembro na programação de natal, mas Jomaci não aceitou. Marcelo disse que não houve perseguição ou qualquer outra forma de dificultar a atividade cultural relevante.



Jozivan Antero – Patosonline.com