Garis estão sem receber salários e empresa alega falta de pagamento por parte da Prefeitura Municipal de Patos



Vários garis estão denunciando que até esta segunda-feira, dia 11, ainda não receberam os salários relativos ao mês de abril que devia ser pago pela Empresa Conserv Construções e Serviços LTDA, que presta serviço terceirizado de coleta e varrição de lixo à Prefeitura Municipal de Patos.

Os garis relataram que o Dia das Mães foi sem dinheiro. Eles acreditavam que os salários seriam pagos na última sexta-feira, dia 08, mas não foi e gerou revolta. De acordo com a lei o salário deve ser pago até o 5ª dia útil, porém, não vem sendo feito. “A gente trabalha até desestimulado. Também temos medo dessa coronavírus! Mas temos que trabalhar e queremos receber”, disse um trabalhador.

Radamés Cândido, presidente do Sindicatos dos Trabalhadores nas Empresas de Limpeza Urbana do Estado da Paraíba (SINDLIMP/PB), que se encontra em quarentena diante de ter feito contato com o irmão que está com COVID – 19, procurou a reportagem para lamentar tamanho descaso com a categoria que não tem medido esforços para manter a cidade limpa, mesmo diante da pandemia e os números assustadores em Patos, inclusive entre os trabalhadores da Empresa Conserv.

Contatado sobre o fato, o diretor-presidente da Empresa Conserv, Herbert Gomes, relatou que aguarda o pagamento por parte da Prefeitura Municipal de Patos. Herbert esperava o pagamento para essa segunda-feira (11), mas não houve. Ele disse que a prefeitura fez um acordo para pagar 50 Mil Reais todo mês relativo a débitos anteriores que deviam serem abatidos, mas faz 5 meses que não paga nada. “A Prefeitura de Patos me deve e isso atrapalhou meu orçamento para pagar trabalhadores, manutenção, aluguel e outros débitos. Eu dependo de receber para pagar”, comentou Herbert.

A reportagem procurou Arnon Medeiros, que é secretário de Finanças do Município de Patos. Arnon afirmou que nesta terça-feira, dia 12, a prefeitura vai pagar parte da medição do mês de abril. Ele relatou que houve problemas devido ao trabalho do setor de empenho que está realizando atividades em casa e isso atrapalhou. Sobre os débitos anteriores que estavam sendo quitados em parcelas, ele disse que deve renegociar com a empresa e discutir a partir de observações do Tribunal de Contas do Estado da Paraíba (TCE/PB).


Jozivan Antero – Patosonline.com