Francisca Motta acusa Arthur de discriminar colegas




“Estamos cansados de ser discriminados nesta Casa. Sermos discriminados até no tratamento. Tememos porque vossa excelência é um deputado temperamental. É claro que somos tratados aqui de uma maneira discriminatória por vossa excelência”, afirmou a deputada.


 


Francisca Mota ainda disse que o presidente é intransigente e que não tem diálogo com os oposicionistas. “Eu acredito que muitos aqui tem receio de interpelar quando alguém vai contesta-lo. Porque ele corta a palavra e não é assim que se procede. Vossa excelência é um juiz e tem que ser imparcial sem ter dois pesos e duas medidas”, disse.


 


A deputada ainda afirmou que a não participação dos oposicionistas nas 17 sessões feitas na AL para aprovação de PCCRs e outras matérias foi tomada em comum acordo com todos os deputados. “A decisão foi da bancada de oposição de que não iríamos votar”, afirmou.


 


O clima esquentou quando o presidente da AL, que estava no seu gabinete, voltou ao plenário devido às acusações da deputada peemedebista. Neste momento a deputada se voltou para o presidente Arthur Cunha Lima e pediu que ele tivesse calma na sua resposta.


 


“Eu estou calmo, a senhora é que está um pouco agitada. Vossa excelência recebeu ofício para que justificasse as ausências com antecedência. Agora, eu preciso saber se quer que cumpra regimento ou não porque me manda uma justificativa e da tribuna diz que combinaram de não vir às sessões. Quem ta mentindo?, isso é falta de ética e isso está nas notas taquigráficas”, disse Arthur Cunha Lima.


 


O presidente ainda acusou a deputada Francisca Mota de ter apresentado uma justificativa falsa à Assembléia Legislativa. A deputada rebateu a acusação imediatamente revelando que estava em Brasília, mas afirmou mais uma vez que a oposição havia combinado de não participar das sessões.


 


Depois da resposta do presidente da AL, a sessão prosseguiu normalmente e o deputado líder da oposição Gervásio Maia (PMDB) deu ordem aos poucos parlamentares oposicionista para que eles se retirassem do plenário.


 


André Gomes – Psonlinebr