Família denuncia que comerciante morreu após saber de prisão equivocada do filho na cidade de Patos



A senhora Marlene Bezerra de Oliveira, 54 anos, faleceu na tarde desta sexta-feira, dia 06, por volta das 17h00, enquanto estava trabalhando em seu quiosque de refeições, localizado no calçadão em frente da Igreja Catedral de Nossa Senhora da Guia, Centro de Patos.

Familiares de Marlene Bezerra relatam que ela teve um infarto após receber a notícia que o seu filho havia sido preso por não pagar pensão alimentícia. Marlene já enfrentava problemas de saúde, porém, a informação da prisão do filho abalou profundamente a comerciante que desfaleceu e depois veio a óbito.

Além de familiares e amigos, Marlene Bezerra de Oliveira deixa 4 filhos em luto. A comerciante era proprietária do quiosque de refeições há 08 anos e gozava de muito carinho por parte de todos que a conheciam.

Os familiares relatam que a prisão do filho de Marlene foi equivocada por parte da Polícia Militar que executou o mandado de prisão. Um dos sobrinhos da vítima, o artista plástico Washington Queiroz, disse que a justiça não deu baixa no mandado de prisão que já havia sido resolvido mediante resolução da pensão alimentícia. “Ele foi preso de forma errada, injustamente. Essa é a revolta maior da família. Ele não estava devendo nada a justiça e com essa notícia ela (Marlene) veio a falecer”, disse Washington.

A reportagem falou com o delegado Dr. Manoel Martins, da Delegacia de Polícia Civil de Patos. O delegado relatou que a Polícia Militar apenas deu cumprimento ao mandado judicial que estava em aberto no sistema.  e que se existe algum problema é em relação a outra questão e não ao cumprimento do mandado.           

O corpo da comerciante está sendo velado na residência dela na Rua do Prado, próximo a Unidade de Pronto Atendimento (UPA), Bairro Liberdade, em Patos.


Jozivan Antero – Patosonline.com