• Dra Milena
Locais

Família busca vaga no Hospital de Patos para paciente grave que está internado na UPA; direção do Hospital responde e diz que caso não é para internação na unidade. Ouça

ÓTICAS GUIMARÃES

A família do senhor José Carlos Correia, conhecido popularmente por “Cacau”, está desesperada com seu quadro de saúde. O mesmo é um paciente especial portador de síndrome de down e está internado na UPA, porém, necessita de uma transferência com urgência para o Complexo Hospitalar Regional de Patos.

Cacau apresentou infecção sanguínea, tem pneumonia resistente, secreção ativa, faz uso de sonda e é acamado. Por esse motivo, a família busca a transferência para o Hospital de Patos, porém a unidade atingiu a capacidade máxima na área vermelha e UTI. Sua sobrinha, a professora Lidiane Correia, vem fazendo o apelo nas redes sociais, para ver se surge a caga.

A redação do Patosonline.com conversou com a assessoria de comunicação do Complexo Hospitalar e o diretor técnico, Dr. Pedro Augusto, explicou que anteriormente o mesmo paciente já esteve internado no Hospital, mas o caso atual não é para novo internamento na unidade.

“Esse paciente é um paciente que teve internado no nosso hospital, foi um paciente de longa permanência, passou algum tempo internado na nossa UTI, foi traqueostomizado, ficou em ventilação mecânica, mas é um paciente que evoluiu muito bem no hospital, saindo do ventilador mecânico e conseguindo ter alta pra casa, ficando aos cuidados do programa “Melhor em Casa”, um programa que tem toda uma assistência em casa. Então, esse paciente, no percurso de 80 dias que ficou no hospital, ele adquiriu uma bactéria, como bactérias hospitalares, bactéria que tem resistência a muito antibiótico, que é a Klebsiella, então o Cacau, na verdade, ele estava colonizado, estava com a bactéria, mas sem nenhuma doença. Mas é um paciente, por ser portador de síndrome de down, por ser um paciente de uma certa forma hipersecretivo, ele produz muita secreção, essa secreção em algumas situações, pode obstruir o traqueostomo, e foi o que aconteceu ontem. Então obstruiu o traqueostomo, o SAMU foi chamado, porque ele estava sufocado, levado pra UPA, na UPA foi feito a assepsia do traquestomo, a aspiração, e é um paciente que evoluiu muito bem. A gente ontem manteve contato várias vezes com os médicos da UPA, paciente que tava saturando 98, com pressão boa, sem febre, apenas porque fez um exame de sangue que deu um pouco dos leucócitos aumentados, mas isso não quer dizer que esse paciente tenha uma infecção […]”, comentou o médico.

Ouça mais detalhes no áudio abaixo:

Dr. Pedro Augusto, diretor técnico do Complexo Hospitalar de Patos

Patosonline.com


Mostrar mais
Botão Voltar ao topo