Locais

Estabelecimento onde foram encontradas larvas em comida será interditado, afirma Coordenadora da Vigilância Sanitária Municipal

ÓTICAS GUIMARÃES

A coordenadora da Vigilância Sanitária Municipal de Patos, Tatiana Lima, disse nesta quarta-feira, a jornalista Wânia Nóbrega, da Rádio Espinharas FM, que a equipe técnica do órgão irá promover a interdição da panificadora/lanchonete localizada na Avenida Sólon de Lucena, Centro, que supostamente vendeu comida estragada com a presença de larvas.

Tatiana disse que o estabelecimento já respondia processo administrativo por dois autos de infração, e vinha funcionando sem a renovação do alvará sanitário fornecido pela Vigilância Sanitária Municipal.

“Antes mesmo da denúncia o referido estabelecimento já consta com processo administrativo. Já consta com dois autos de infração e não possui alvará sanitário, algo de extrema relevância para a população. Então nós fomos no estabelecimento, constamos a denúncia e outras irregularidades sanitárias,” disse a coordenadora.

Tatiana disse que nenhum estabelecimento pode funcionar sem o alvará sanitário, mas ressaltou que existe um processo administrativo que demanda certo tempo, razão que não permite uma interdição imediata do ponto comercial.

Ela finalizou informando que a equipe de inspetores da vigilância é responsável pela interdição dos pontos comerciais, que em muitos casos recebe apoio policial para garantir que haja eficácia no trabalho. Ouça;

Tatiana Lima – Áudio: Wânia Nóbrega/Rádio Espinharas FM

ENTENDA O CASO

A denúncia foi formalizada junto ao Procon Municipal na tarde desta terça-feira, 24, pela jornalista Wânia Nóbrega, da Rádio Espinharas FM, que, após comprar o lanche na panificadora, constatou que a comida encontrava-se estragada, com a presença de um grande número de tapurus, larvas que se alimentam de matéria orgânica estragada que estava dentro da salsicha de um dos salgados.

Wânia retornou ao estabelecimento, mostrou o estado da comida ao atendente, que devolveu o dinheiro e pediu desculpas. A jornalista prestou queixa no Procon e na Vigilância Sanitária, e abriu um Boletim de Ocorrência na delegacia de Polícia Civil, para que fossem tomadas as medidas necessárias.

A redação do Patosonline.com entrou em contato com a panificadora via contato de atendimento e Instagram, mas até o fechamento desta matéria não havia obtido nenhum posicionamento. O espaço permanece aberto para os esclarecimentos acerca do caso.

Por Patosonline.com

Áudio de Wânia Nóbrega – Rádio Espinharas FM 97,9


Mostrar mais
Botão Voltar ao topo