ENERGISA corta eletricidade do circo e artistas, incluindo crianças, enfrentam muita dificuldade na cidade de Patos



O senhor Eleandro Cardoso de Sousa, proprietário do Circo Miraculous, que está acampado no Campo da Liga, vizinho da Unidade de Pronto Atendimento (UPA), Bairro Liberdade, em Patos, relatou que os artistas foram pegos de surpresa nesta segunda-feira, dia 25, quando funcionários da ENERGISA cortaram o fornecimento de energia elétrica do local.

Apesar dos apelos de Eleandro para que não fosse cortada a energia, os funcionários argumentaram que cumpriam ordem e tinham que executar a ação. A ligação da energia estava feita de forma irregular. Eleandro relatou que havia feito uma solicitação para instalação de energia em caráter provisório no Terreiro do Forró, Jardim Califórnia, em Patos, porém, esperaram e a ENERGISA não executou e as poucas atividades foram realizadas com eletricidade de gerador a diesel.

Ao se instalarem no Campo da Liga, de acordo com Eleandro, a direção do Circo Miraculous pediu instalação provisória também para o novo local, porém, a ENERGISA comunicou que havia suspendido o serviço diante da pandemia do novo coronavírus, COVID – 19. Sem ter outra opção, os artistas fizeram uma ligação irregular diante das dificuldades enfrentadas, no entanto, agora estão em situação complicada, pois não se tem espetáculos e a renda vem somente das ajudas solidárias dos cidadãos.

A Secretaria de Desenvolvimento Social tem contribuído com os artistas dos circos que estão na cidade de Patos. A Fundação de Cultura de Patos (FUNDAP) também tem contribuído.  

“Vou confessar uma coisa: a cidade de Patos tem um povo solidário. Aqui temos recebido muita ajuda do povo. A FUNDAP tem ajudado também através do Marcelo. Se não fosse essa ajuda, a gente estava sofrendo muito. Agora sem energia não dá. A gente paga a ENERGISA, mas eles dizem que está suspenso e pronto. Temos 14 pessoas aqui, e 7 são crianças. Peço a ENERGISA que ajude a gente também, por favor! A gente paga a energia, mas precisamos dela porque aqui a situação não está boa e sem energia é ainda pior”, desabafou Eleandro.


Jozivan Antero – Patosonline.com