Em sessão tumultuada e com agressões verbais, vereadores derrotam projeto do Código Tributário do Município de Patos



Em caráter extraordinário, a Câmara Municipal de Patos foi convocada na manhã desta terça-feira, dia 24, para apreciar o Projeto de Lei do Código Tributário. A solicitação da sessão se deu através de pedido do prefeito interino Ivanes Lacerda (MDB).

Com sete votos contra e oito favoráveis ao projeto, os vereadores derrotaram o Código Tributário do Município de Patos causando alvoroço no plenário em uma sessão que foi tumultuada do início ao fim. A vereadora Lucinha Peixoto (PCdoB), ao fazer uso da tribuna, chegou a chamar a presidente Tide Eduardo (MDB) de “palhaça”.

Para aprovar o Código Tributário seriam necessários 09 votos, pois a matéria versa sobre tributação e, de acordo com a Lei Orgânica do Município de Patos.

A presidente da Câmara Municipal de Patos solicitou a presença de guarnições do 3º Batalhão da Polícia Militar (3º BPM). O comandante da guarnição chegou a intervir após um cidadão exaltado no auditório gritar e xingar vereadores que faziam uso da palavra.

A oposição, encabeçada principalmente pelos vereadores Edjane Araújo (PRB), Lucinha Peixoto (PCdoB) e Diogo Medeiros (PSB), fez uso da palavra para demonstrar que o projeto em votação não estava respeitando prazos regimentais, parecer de comissões e ameaçava entrar na justiça caso fosse aprovado.

Votaram contra o Código Tributário: Toinho Nascimento, Diogo Medeiros, Edjane Araújo, Edson Hugo, Kleber Ramon, Lucinha Peixoto, Suélio Caetano.

Os favoráveis foram: Nadirgerlane Rodrigues, Fatinha Bocão, Cambirota, Ferré Maxixe, Dito, Gordo da Sucata, Raniery Ramalho e Góia.

A surpresa ficou por conta do vereador Ramon Pantera que era cotado como de apoio ao prefeito interino Ivanes Lacerda, mas votou contra o Código Tributário.


Jozivan Antero – Patosonline.com




Em cumprimento à Legislação Eleitoral, o Portal Patosonline.com não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2020 se encerrarem.