Em Patos, trabalhadores temem voltar ao serviço sem realizar os exames IGG e IGM para confirmação de cura do COVID -19



A reportagem foi procurada por uma trabalhadora do comércio da cidade de Patos que disse ter vencido o novo coronavírus, COVID – 19. A jovem de 37 ano preferiu não se identificar e contou sua história diante de ter sido acometida pela doença e agora não sentir mais nenhum sintoma.

“Cristiane” comentou que teve sintomas gripais e comunicou a empresa que trabalha. Ela foi afastada no dia 5 de maio e cerca de 20 dias depois recebeu o resultado positivo para COVID – 19. A comerciária foi medicada em casa e teve todos os cuidados diante da doença. Neste domingo, dia 24, “Cristiane” relatou que quer voltar ao trabalho, no entanto, teme ainda ser transmissora da doença.  

A jovem precisa fazer exames chamados de IGG e IGM. Estes exames mostram se “Cristiane” produziu anticorpos que venceu o COVID – 19 e se não transmite mais a doença. Os exames custam em média R$ 300,00. A empresa pagou o exame inicial, mas “Cristiane” gostaria de fazer o mais completo para se sentir segura e em respeito aos demais colegas de trabalho, a família e todos que se aproximarem dela.

A comerciária relatou que foi várias vezes ao Hospital Regional de Patos, mas como está assintomática, o órgão comunicou que não realiza o exame por meio do Sistema Único de Saúde (SUS). Ela também buscou ajuda na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e nas Unidades Básicas de Saúde destinada aos casos respiratórios. Em nenhum local ela conseguiu o exame.

“Cristiane” passou pelo médico disponibilizado pela empresa e este confirmou que ela está bem de saúde. “Graças a Deus eu não tive complicações, mas posso contaminar alguém que não tenha a mesma sorte que eu. Queria realizar o teste final! Tenho outras colegas na mesma situação, ou seja, estão sem sintomas e precisam fazer esse exame para se sentirem seguras. A empresa me afastou no momento certo, me deu assistência e pagou meu exame. Tenho receio de pedir esse último. Estou nervosa com tudo isso”, relatou.

Em contato com Samara Marques, chefe do setor de Epidemiologia do Município de Patos, a reportagem foi informada que o Município não dispõe mais dos testes IGG e IGM que haviam sido doados pelo Governo do Estado da Paraíba. “…paciente curado, se passou 14 ou 21 dias e não desenvolveu nenhuma sintomatologia, não se faz reteste. O paciente faz todo o percurso anterior, mas se não tiver nenhuma sintomatologia não é testado…”, confirmou Samara.


Jozivan Antero – Patosonline.com