Eduarda e Luana: conheça a história das irmãs e da família que vivem da coleta de material encontrado no lixo na cidade de Patos

????????????????????????????????????



Na residência simples na Rua Gilberto Taylor, Bairro das Placas, em Patos, moram as irmãs Luana da Silva e Maria Eduarda com os primos João Batista e Lucas, além da mãe-avó Maria da Guia, de 80 anos, que é deficiente física. Toda a família complementa a renda através da coleta de material reciclado que é encontrado no lixo das ruas do município.

Maria Eduarda e Luana

Luana e Maria Eduarda trabalham de domingo a domingo. As garotas têm 23 e 20 anos, respectivamente. A jornada de coleta de material reciclado no lixo é realizada nos Bairros São Sebastião, Vitória, Dona Milindra, Centro, Brasília e adjacências. Seja com sacos nas costas ou com auxílio da carroça de tração animal, a rotina é constante e exige força de vontade e disciplina.

As irmãs fazem a coleta de material reciclado nas sacolas de lixo que são colocadas nas proximidades das residências. A tarefa começa cedo e é rápida para aproveitar o que ainda pode ser aproveitado e antes da passagem do caminhão da empresa de coleta de lixo. As garotas separam garrafas PET, metais, sandálias e demais reciclados, mas também objetos que podem ser usados no dia a dia e até comida.

Maria Eduarda e Luana

O primo João Batista também coleta material nas ruas e Lucas vai ao lixão para coleta de material reciclado. Maria Eduarda e Luana relatam que preferem ir às ruas da cidade. Na manhã desta quinta-feira, dia 08, João Batista acompanhou as garotas que foram até a Catedral de Nossa Senhora da Guia para pegar as quentinhas que são distribuídas pelo projeto Catedral Solidária. A mãe-avó já esperava para almoçar, pois essa seria a refeição dos 4, mas as irmãs ainda iam sair para coletar material.

A mãe de Luana e Maria Eduarda faleceu após cair no banheiro. Luana relatou que a mãe estava muito aflita em decorrência da morte do pai dela, que era um dos suportes da casa. A senhora Maria da Guia é aposentada, mas o salário quase não dá para as despesas da casa que é alugada. Maria da Guia tem problemas nas pernas desde criança e isso a impossibilita de andar.

Maria da Guia

Luana relatou que ainda tem um irmão chamado Kleberson que é casado e mora próximo. Ele faz coleta de material reciclado no lixão e sempre está em contato com a família. Luana e Maria Eduarda fazem uma média de R$ 200,00 cada uma com o trabalho de coleta de material reciclado, mas almejam conseguir um emprego formal.

A família das irmãs é mais uma entre as milhões de pessoas que vivem em constante situação de vulnerabilidade social no Brasil. Sujeitas ao assédio, condições insalubres de trabalho, incompreendidas e até xingadas ao realizar o trabalho, Luana e Maria Eduarda receberam a reportagem que pediu para relatar o dia a dia das corajosas garotas que encontraram no material encontrado no lixo uma forma de sobrevivência digna.

Luana da Silva deixou o telefone de contato para caso exista possibilidade de trabalho formal. (83) 9 9621 8317.

Maria Eduarda e Luana


Jozivan Antero – Patosonline.com


OUÇA entrevista com Luana e Maria Eduarda: