Politica

Desespero no Planalto: aprovação do governo Dilma despenca para um dígito

A rejeição ao governo Dilma Rousseff tomou conta do país. A aprovação que era de 47%, logo depois da eleição, caiu para um dígito. É o que mostram pesquisas internas do Palácio.

Os números desmontam o discurso do PT de que o descontentamento com o governo é da elite. Hoje no Congresso Nacional a oposição questionava: "O que chegará a 5 primeiro? A popularidade da presidente, a gasolina, as ações da Petrobras, ou o dólar?"

Veja.com

Dilma diz que incluirá Kassab, Aldo e Padilha na coordenação do governo

A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta quarta-feira (11), após cerimônia de entrega de unidades habitacionais do programa Minha Casa, Minha Vida em Rio Branco (AC), que incluirá na coordenação política do governo os ministros Gilberto Kassab (Cidades), do PSD; Aldo Rebelo(Ciência e Tecnologia), do PC do B; e Eliseu Padilha (Aviação Civil), do PMDB.

Dilma foi ao Acre para visitar abrigos de atingidos pelas chuvas e se reunir com prefeitos de cidades alagadas. No aeroporto, a presidente foi recepcionada por militantes que portavam cartazes e entoavam o coro "olê, olê, olê, olá, Dilma, Dilma". Depois, ela participou de cerimônia de entrega de casas do programa Minha Casa, Minha Vida. Ao chegar ao recinto do evento, foi novamente ovacionada por beneficiários do programa e pessoas que carregavam bandeiras do PT.

"DilmaA presidente negou informações de que o ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, deixará a articulação política do governo. Segundo ela, essas informações "não são verdadeiras".

De acordo com a presidente, além de Kassab, Aldo e Padilha, outros ministros serão chamados a participar das reuniões de coordenação, que poderão ser "semanais" ou "mais que semanais". "É muito flexível, é um sistema de governo", declarou.

"Vamos colocar na coordenação o ministro Kassab, o ministro Aldo Rebelo, o ministro [Eliseu] Padilha e vamos chamar eventualmente ministros para participar da discussão, principalmente quando o assunto for correlato a eles", afirmou Dilma.

Segundo a presidente, haverá um rodízio dos ministros chamados para as reuniões de coordenação. “Nós vamos aumentar o número de pessoas e de partidos [na coordenação], obviamente, e vamos fazer rodízio sistematicamente, trazendo ministros novos para o debate, chamando um ministro em uma semana e na outra semana a gente chama mais um ministro”, afirmou.

Atualmente, a coordenação política do governo é composta pelos ministros do chamado “núcleo duro”, conhecido também como “G6”. Fazem parte Aloizio Mercadante (Casa Civil), Miguel Rossetto (Secretaria-Geral), Pepe Vargas (Relações Institucionais), Ricardo Berzoini (Comunicações), Jaques Wagner (Defesa) e José Eduardo Cardozo (Justiça). Todos do PT.

Conforme informou o Blog do Camarotti, o PMDB, principal aliado do PT, pediu ao Planalto que acabe com o “G6”. Após o pedido chegar à presidente, ela chamou a cúpula da legenda para um jantar no Palácio da Alvorada. Ao comentar o encontro, o presidente do partido e vice-presidente da República, Michel Temer, afirmou que a reunião serviu para “solidificar” a relação do PMDB com o Planalto.

Manifestações
Sobre as manifestações de protesto contra o governo convocadas pela internet para o próximo fim de semana, a presidente disse que é de uma época em que não era possível organizar protestos nas ruas. Segundo ela, durante sua juventude, quem se manifestava “ia diretamente para a cadeia ou era chamado de subversivo e nomes piores”.

“[O governo] não tem o menor interesse, o menor intuito nem tampouco o menor compromisso com qualquer processo de restrição da livre manifestação. Neste país, nós temos o direito de manifestar. O que não temos o direito é de ser violentos. Sabemos que isso não pode acontecer”, disse a presidente.

Reunião com Toffoli
Antes de embarcar para o Acre, a presidente se encontrou, em Brasília, com o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) José Antônio Dias Toffoli. Ao comentar a reunião, no Palácio do Planalto, Dilma negou que eles tenham discutido assuntos relacionados à Operação Lava Jato – a partir de maio, o ministro presidirá o julgamento do caso no STF.

Segundo Dilma, audiência estava prevista "há muito mais tempo" e ela discutiu com o ministro a criação de um cadastro único de identificação do cidadão que poderá ser feito em parceria com a Justiça Eleitoral.

Do G1

 


Mostrar mais
Botão Voltar ao topo
close