Delegado, que investiga o caso, diz que empresário paraibano foi morto por engano



A Polícia Civil da Paraíba concedeu uma entrevista coletiva nesta quarta-feira (24), para falar sobre o caso de Gefferson Moura, de 32 anos, que foi morto no último dia 17 de março, durante uma operação da Polícia Civil de Sergipe, na cidade de Santa Luzia, na Região Metropolitana de Patos.

De acordo com o delegado Glauber Fontes, que investiga o caso, o empresário paraibano foi morto por engano, por ter traços semelhantes com o do suspeito que os policiais sergipanos estavam tentando prender na noite que ocorreu o crime.

O delegado revelou também que Gefferson não reagiu a ação dos agentes e foi morto com oito tiros.

O empresário estava indo para a casa da família, que mora em Cajazeiras, sertão do estado, cuidar do pai que havia sido diagnosticado com a Covid-19. Durante o trajeto, Gefferson foi abordado pelos policiais e acabou sendo morto.

As investigações apontam também que a cena do crime foi adulterada e que a arma apresentada pelos agentes e que eles disseram ser da vítima, pertence a um policial militar do estado do Sergipe.

O delegado, o agente de investigação da Polícia Civil e o policial militar que participaram da ação tiveram a prisão temporária decretada nesta terça-feira (23).

As investigações ainda não foram concluídas e o caso está sendo tratado como execução.

Notícia Paraíba