• Dra Milena
Gerais

Coveiro é afastado do cargo após cobrar R$ 300,00 para enterrar idosa, em cidade da Paraíba

O caso tomou repercussão após um vídeo circular nas redes sociais, onde dois familiares da falecida aparecem cavando a cova e um deles se mostra indignado com a situação

ÓTICAS GUIMARÃES

Uma família viveu um constrangimento na última sexta-feira (16) no distrito de Santa Terezinha, município de Massaranduba, região de Campina Grande, ao tentar fazer o sepultamento de uma idosa de 91 anos. Conforme um vídeo que circula nas redes sociais, o coveiro da cidade teria cobrado o valor de R$ 300,00 para cavar a cova da falecida.

No vídeo, dois homens que se apresentam como familiares da idosa, reclamam e um deles que diz ser neto da mulher, lamenta por não poder estar prestando as últimas homenagens à sua avó, por está tendo que fazer um serviço que não seria para eles fazerem. “Isso é uma vergonha prefeito! coloque alguém que tenha responsabilidade!”, disse o rapaz indignado com a situação.

A família decidiu fazer o trabalho do coveiro por não ter condição financeira para realizar o pagamento.

A família também relatou que não havia funcionário da prefeitura de Massaranduba no momento do sepultamento, fato que não foi possível fazer a entrega da guia de enterro, documento o qual oficializa o ato fúnebre.

O QUE DIZ A PREFEITURA

A prefeitura de Massaranduba emitiu uma nota de esclarecimento e disse que o servidor realizou a cobrança dos R$ 300,00 “de maneira indevida e por conduta própria”. Ainda de acordo com a nota, a gestão municipal disse que “repudia tal atitude” e informou que “trata-se de um caso isolado, onde ao tomar conhecimento, o servidor foi identificado e afastado de suas atividades”.

“Nos solidarizamos com a família enlutada e nos colocamos à disposição para quaisquer esclarecimentos”, finaliza a divulgação.

Quanto à guia de enterro, segundo o portal de notícias G1/PB, o órgão teria dito que entrará em contato com a família para resolver a questão.

Fonte: Portal Diário


Mostrar mais
Botão Voltar ao topo